Ação da Ultrapar chega a subir 6% com “surpresa” da Ipiranga, mas ameniza ganhos; Petrobras sobe apesar de petróleo

Faltam 10 dias para o Encontro de Vitória da Conquista
03/09/2019
Senado aprova divisão de recursos de leilões de petróleo com estados e municípios
04/09/2019
Mostrar tudo

Fonte: Infomoney

A sessão, que começou morna para o Ibovespa, passou a ser de forte volatilidade para o índice, que fechou com queda de 0,94% com os investidores atentos principalmente ao noticiário internacional em meio ao impasse para um encontro entre representantes dos EUA e China para a negociação da guerra comercial.
Em meio aos temores com a desaceleração da economia global com as rusgas entre as duas maiores economias do mundo, após a alta da véspera, as ações de Vale (VALE3, R$ 45,52, -1,06%) e CSN (CSNA3, R$ 13,93, -2,93%) registraram queda.
Por outro lado, a Petrobras (PETR3, R$ 28,11, +0,50%; PETR4, R$ 25,60, +1,19%) fechou com ganhos apesar da baixa do petróleo, com o WTI em queda de mais de 2% também atento aos desdobramentos da guerra comercial. A produção recorde da estatal em agosto e notícias positivas sobre venda de ativos ajudaram a impulsionar o papel. Veja mais destaques:
Ultrapar (UGPA3, R$ 16,99, +2,35%)
A ação da Ultrapar chegou a subir 6,63%, mas amenizou os ganhos e fechou com valorização de 2,35%. Os números de julho do setor de petróleo e gás trouxeram algumas surpresas positivas, de acordo com o Credit Suisse. Os dados da Plural de volumes de julho mostraram a Ipiranga, da Ultrapar, ganhando participação (alta de 0,9 ponto percentual na comparação mensal), enquanto que a BR Distribuidora ficou estável (alta de 0,1 ponto na base mensal) e a Raízen perdeu mercado (queda de 0,7 ponto).
Conforme destaca o banco suíço, nas últimas semanas, há um maior interesse dos investidores pela ação da Ultrapar, motivos pela percepção de que a diferença de valor de mercado em relação aos pares parece excessivamente alta. A demanda por combustíveis foi bastante forte, apontou o banco.
As ações da Lojas Americanas também avançam. Vale ressaltar que, na sexta-feira, a BR Distribuidora e as Lojas Americanas celebraram um memorando de entendimentos, de natureza não vinculante, que tem como finalidade guiar os estudos sobre a viabilidade de uma possível parceria estratégica no segmento de lojas de conveniência da BR.
Confira a reportagem completa no site Infomoney.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *