Guedes mantém compromisso com política de preço da Petrobras,diz fonte

Abicom: Sem alta do diesel, Petrobras reforça defasagem com exterior
12/04/2019
Petrobras confirma que estuda vender fatia na BR Distribuidora
12/04/2019
Mostrar tudo

Fonte: Valor Online

A diretoria da Petrobras fará uma teleconferência com o conselho de administração da companhia agora pela manhã para discutir a questão dos preços dos combustíveis.

Ontem a Petrobras decidiu suspender um reajuste de 5,7% previsto para hoje do diesel na refinaria. Teria havido uma decisão direta do presidente Jair Bolsonaro para que a estatal segurasse o aumento no valor do combustível, conforme publicado pelo jornal ‘O Globo’.

Fontes próximas da companhia ouvidas pelo Valor disseram, porém, que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da petroleira, Roberto Castello Branco, continuam comprometidos com a paridade de preços com o mercado internacional.

“Preço é mercado internacional”, disse uma fonte próxima da companhia. A paridade com o mercado internacional foi uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro.

Para o interlocutor, existe uma percepção de que aumentou o risco, nas últimas semanas, de uma greve dos caminhoneiros. E nesse cenário é preferível, segundo a fonte, adiar por uns dias o reajuste do diesel para aliviar a pressão da “panela” dos caminhoneiros, comparou.

A fonte afirmou, porém, que a subvenção ao diesel não é sustentável a longo prazo.

O interlocutor acrescentou que ações recentes tomadas pela estatal, como o reajuste do diesel em prazo não inferior a 15 dias, as operações de hedge (proteção) e a ideia do cartão do caminhoneiro (para travar o preço do combustível), são medidas tomadas, justamente, para tentar reduzir a pressão dos caminhoneiros sobre a estatal e sobre o governo, o que poderia terminar levando a uma nova greve, como a que aconteceu em maio do ano passado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *