IPI de carro elétrico pode ser reduzido, diz ministro

Governo recebe primeiro carro elétrico para uso como veículo oficial
06/06/2017
Por dentro da van elétrica que usa etanol para gerar energia sem combustão
06/06/2017
Mostrar tudo

Fonte: Agência Estado
O ministro de Minas e Energia (MME), Fernando Coelho Filho, disse que o governo estuda reduzir o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) que incide sobre veículos elétricos, hoje em 25%. A ideia é aplicar a mesma a alíquota do imposto cobrado sobre veículos “flexfuel” que, segundo o ministro, é de 7,5%.
“Queremos pelo menos igualar aos 7,5%. Alguns defendem até que seja menos que isso”, afirmou Coelho Filho.
O ministro recebeu na segunda-feira, 5, um veículo elétrico, adaptado pela usina de Itaipu. O modelo, um Renault Fluence preto, será o carro oficial do ministro.
Um eletroposto, que servirá para recarregá-lo, foi instalado em frente ao edifício do MME.Embora já seja realidade em alguns países do mundo, os veículos elétricos ainda não são populares no Brasil.
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) começou a discutir uma regulamentação para a infraestrutura de postos de recarga para esses veículos, que poderá ser explorada por distribuidoras e também por terceiros.
Mesmo sendo alto o custo do veículo elétrico e de sua recarga, o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, disse ser contra a criação de subsídios para o setor. “Não podemos mais uma vez inaugurar um novo subsídio cruzado no setor elétrico. A infraestrutura de reabastecimento não é barata e não parece razoável que seja paga por todos consumidores”, afirmou. “O usuário do veículo elétrico deve ter sinal de preço para custear isso.”
O ministro concordou com a opinião de Rufino. “A escala dos veículos elétricos vai se dar quando as condições estiverem lançadas. A indústria, quando sentir que o ambiente é propício a isso, vai investir”, afirmou. “Ainda é caro, mas a solução não é criar subsídios. A gente luta incansavelmente para reorganizar o setor em relação a todos os subsídios que foram criados no passado.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *