Crise do petróleo vai longe e afeta sua vida além do preço da gasolina. Entenda

Mercado de petróleo sinaliza recuperação com maior uso de carros
11/05/2020
Preço da gasolina permanece em queda nos postos, diz ANP
11/05/2020
Mostrar tudo

Fonte: Valor Investe

A pandemia do coronavírus também provocou um colapso no setor de petróleo, que enfrenta a sua pior crise em um século. Depois que o preço desmoronou de forma brutal, em abril, a crise da matéria-prima ainda vai longe, segundo especialistas. O assunto parece distante, mas tem tudo a ver com você, consumidor ou investidor, pois todos os produtos derivados de petróleo e as ações nas bolsas sofrem influência direta desse derretimento.

A quarentena planetária imposta pela pandemia levou à redução do consumo e a demanda pelo petróleo diminuiu abruptamente. Muita coisa tem petróleo: gasolina, gás de cozinha, produtos de limpeza, cosméticos, tecidos e por aí vai. E essa redução no consumo se reflete nos preços mais baixos.

No final do ano passado, já havia a expectativa de que haveria uma queda no consumo petróleo nos próximos anos, pela mudança de comportamento do mercado. “As pessoas estão cada vez mais interessadas em ‘green money’, preocupadas com a poluição, e querem investir e consumir em empresas com operações sustentáveis. Mas aí surgiu o coronavírus, um problema inesperado”, diz Ernani Reis, analista da Capital Research.
Não bastasse a covid-19, em 8 de março, a Arábia Saudita, a maior produtora de petróleo do mundo, reduziu de forma unilateral o preço da commodity, após negociações fracassadas com a Rússia. A derrocada teve início após um impasse na reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

A Arábia Saudita, líder da Opep, propôs um corte na produção para ajustar a oferta à demanda mais baixa de combustíveis devido ao surto de coronavírus. Contudo, a Rússia se recusou a diminuir sua produção e, em resposta, a Arábia Saudita colocou sua produção em promoção: cortou o valor de venda do barril. No dia seguinte, o preço do barril de petróleo sofreu a maior desvalorização até então desde o início dos anos 1990, na Guerra do Golfo.

E em 12 de abril, uma reunião entre a Opep e aliados chegou a um acordo para reduzir a produção de petróleo em 10%. Dessa vez, não houve resistência da Rússia. O acordo tem duração de dois meses, e começou a valer a partir do dia 1° de maio. A soma da guerra de preços e do coronavírus é tão inusitada que resultou na primeira cotação negativa do barril de petróleo da história.

Em 20 de abril, o preço do barril do petróleo WTI, listado na bolsa de Nova York e principal referência para o mercado norte-americano, despencou 306% e foi cotado em US$ 37,63 negativos. No mesmo dia, o preço do barril do petróleo Brent, listado na bolsa de Londres e principal referência para o mercado europeu e brasileiro, recuou 9%, para US$ 25,57.

Mas como assim, preço negativo? As pessoas tiveram que pagar para vender seus contratos de petróleo nos Estados Unidos. Elas precisavam se desfazer dos barris que não tinham onde armazenar. Há petróleo demais sendo produzido e demanda de menos. Não há onde guardar os novos barris que chegam das plataformas. E quanto mais a capacidade de estocagem de petróleo ficar saturada, mais o preço do barril vai continuar baixo.

“Estamos em uma corrida contra o tempo. A partir do momento em que as pessoas saírem do isolamento, mesmo que parcialmente, já se começa a combater esse problema da estocagem”, explica, Reis, da Capital Research.
Desde que despencou mais de 300%, o preço do petróleo flutua para cima e para baixo de forma mais turbulenta do que o normal. As altas ou baixas significativas da matéria-prima têm sido o principal destaque de vários pregões. Mas a cotação da commodity se mantém em um patamar mais baixo do que já esteve.

O mercado internacional de petróleo encerrou em abril aquele que pode ter sido — se não o pior — um dos piores meses de sua história. O WTI, referência nos Estados Unidos, para junho fechou abril com retração de 21%, em em US$ 18,84. Já o Brent, referência global, chegou a cair abaixo dos US$ 20 pela primeira vez desde 2002, e encerrou o mês com baixa de 2%, em US$ 25,27.

E daqui para frente?
Para equilibrar a oferta e a demanda de petróleo no mundo, os produtores vão precisar cortar a produção – muitos, inclusive, porque não têm capacidade física para estocar tantos barris de petróleo. Mas a queda na produção definida pelos principais produtores de petróleo do mundo pode não ser suficiente para compensar a redução da demanda.

Segundo os analistas, o mercado terá uma oferta de petróleo menor por mais tempo, porque parte dos poços que tiverem sido fechados podem não retornar à produção. Assim, quanto mais produtores tiverem que fechar seus poços para evitar o esgotamento da capacidade de armazenagem, mais acelerada será a recuperação de preços de petróleo.

A alta nos preços vai depender principalmente do fim gradual da quarentena e do que vai
acontecer com o consumo depois disso. Por hora, antes de surgir algum fato novo, o efeito da guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia já passou.

“Enquanto a demanda estiver baixa, essa situação de preços baixos do petróleo vai perdurar, mesmo que haja diminuição da produção. O que precisa para resolver a crise do petróleo? Vacina para o coronavírus”, diz Rafael Schiozer, professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Mesmo com o fim gradual do isolamento, a demanda por combustível deve ficar comprometida até o final do ano e os preços devem se manter voláteis até lá.
“Vislumbro a retomada para os patamares anteriores só em 2021. Daqui um ano, provavelmente, estará mais próximo dos US$ 40 do que dos US$ 10 o barril”, diz Michael Viriato, coordenador do laboratório de finanças do Insper.
Em seu último comunicado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que define a meta para os juros básicos, a Selic, supôs que o preço do petróleo (Brent) subirá cerca de 40% até o final de 2020.

A chance do barril de petróleo ter uma cotação negativa de novo é mínima, porque os produtores tomaram um susto e ajustaram a produção rapidamente.

Preço da gasolina

O consumo de combustíveis teve o pior março desde 2011 com a quarentena, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP). Desde maio de 2018, período marcado pela greve dos caminhoneiros, as vendas não eram tão baixas.

A Petrobras, estatal brasileira exploradora de petróleo, está queimando cerca de US$ 1 bilhão por mês com o atual cenário de preços baixos, disse a diretora financeira da companhia, Andrea Marques de Almeida. Segundo ela, a situação exige medidas para preservar o caixa da petroleira.

A consultoria MacroSector estima que a queda dos preços da gasolina para o consumidor final foi de 9% em abril, ante março, enquanto para o diesel a redução foi de 8%.

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço da gasolina atingiu, na semana entre 19 e 25 de abril, a média de R$ 3,992 o litro — o patamar mais baixo, em valores nominais, desde a semana entre 12 e 18 de novembro de 2017. No caso do diesel a média de R$ 3,346 o litro foi a mais baixa, sem correção monetária, desde o período entre 24 e 30 de dezembro de 2017.

A pressão para a queda dos preços dos combustíveis nos postos veio da menor demanda doméstica, com o confinamento das pessoas em casa, e da forte redução nas refinarias, que acompanhou o movimento de intensa baixa nos valores do petróleo no mercado internacional.

No entanto, o preço dos derivados de petróleo nos postos ainda está bem abaixo da queda praticada pela Petrobras nas refinarias. Em abril, a companhia cortou em 15% o preço da gasolina nas refinarias e em 19% os preços do diesel. No ano, a redução foi de 52% na gasolina e 48% no diesel. Ao todo, a Petrobras já ajustou 13 vezes a sua tabela de preços da gasolina nas refinarias ao longo do ano. No caso do diesel, a estatal já mexeu 11 vezes nos preços.

E, nesta semana, após uma recuperação da cotação do petróleo no mercado internacional, em parte, e a disparada do câmbio, a Petrobras anunciou o aumento dos preços da gasolina no país. O reajuste médio nas refinarias foi de 12%.

A queda ainda pequena na bomba de combustível incomoda consumidores. “As pessoas vão começar a questionar mais esse mercado. Quando o preço do barril de petróleo sobe, também tem alta na bomba, mas quando cai, a queda nos postos é tímida. Não faz sentido”, diz Alexandre Espírito Santo, economista da Órama.

Isso acontece por alguns motivos, segundo os analistas. Primeiro, porque a Petrobras não tem uma concorrente direta no Brasil e tem custos elevados de distribuição e impostos. Segundo, porque ainda há estoque de combustível nesse momento. E terceiro, porque a demanda, apesar de baixa, está estável na quarentena.

“O prolongamento do isolamento social por mais tempo pode levar a um repasse maior para a bomba de gasolina e a uma queda maior de preço para o consumidor final. Todo mundo vai precisar se livrar do seu estoque”, diz Reis, da Capital Research.
Passagens e outros produtos

Partindo do princípio de que a crise do petróleo vai permanecer por um tempo maior, todos os produtos derivados de petróleo são afetados, para baixo. Primeiro, porque transportar produtos fica mais barato, se o preço do combustível cai. Segundo, porque as empresas gastam menos para produzir embalagens, alimentos com corantes e fertilizantes e até remédios.
“Em algum momento isso vai bater nos preços dos produtos, e isso é positivo para o consumidor”, diz Viriato, do Insper.
Grandes consumidores de combustível como as companhias aéreas também podem, em tese, ser beneficiados com o combustível mais barato e levar essa economia para uma redução nos preços. Mas o setor de aviação passa por uma crise tão séria quanto a do petróleo e não dá para cravar que as passagens vão ficar mais baratas com a queda no valor do combustível.

Quando o isolamento acabar, o consumo de viagens não vai voltar instantaneamente e, enquanto a demanda por voos não subir e as empresas aéreas continuarem em uma situação crítica, dificilmente elas baixarão preço.
Vale, ainda, uma observação: no Brasil, a queda no preço do petróleo acaba sendo compensada, em parte, pela alta do dólar, que tem batido recorde atrás de recorde. Isso porque o petróleo é uma commodity (matéria-prima) cujo preço é definido no mercado internacional, em dólar.

Ações na bolsa

As ações nas bolsas tendem a sofrer influência direta nos dias em que os preços do petróleo derretem. A crise do petróleo gera mais um fator de insegurança para investidores, que já estavam receosos por causa do coronavírus.
Quando um investidor vê a cotação de um contrato futuro de petróleo despencar, conclui que a atividade econômica vai demorar para voltar. É uma sinalização de que tem gente vendendo barril de petróleo pelo que acha que vai acontecer lá na frente. E nessa hora o investidor tende a se afastar dos ativos de maior risco, principalmente as ações.

Com a venda generalizada de papéis, o Ibovespa, principal índice de referência da bolsa brasileira, se desvaloriza. Mas em abril, o mês do caos no petróleo, o Ibovespa até que conseguiu subir 10,38%, apesar da queda do petróleo, porque o possível começo do fim do pesadelo do coronavírus saltou aos olhos dos investidores.

E como ficam as ações da Petrobras no meio de tudo isso? Se os preços continuarem baixos por muito tempo, o lucro da petroleira vai ficar prejudicado?
Os especialistas aguardam o próximo balanço da empresa, que será divulgado no dia 14 de maio. Especialistas esperam que a exploração e a produção de petróleo da Petrobras no segundo trimestre caia, diante do cenário desafiador de curto prazo.

Mas vários analistas mantêm a recomendação de compra da ação da empresa e acham que o preço do barril de petróleo abaixo de US$ 40 não deve atrapalhar o resultado da companhia no ano. Na Carteira Valor de papéis sugeridos para maio, três corretoras indicaram investir na Petrobras.

Para Pedro Galdi, da Mirae, a Petrobras está bem posicionada para passar por esse período desafiador. Na visão do analista, o corte de produção promovido pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) deve fazer com que o preço do petróleo volte a subir e, assim, melhore as receitas das companhias, incluindo a Petrobras.

Os analistas do também UBS seguem com uma visão otimista para o longo prazo e argumentam que a empresa mantém uma mentalidade racional de investimentos e preços de combustíveis domésticos alinhados à paridade internacional. Outro ponto a favor, de acordo com eles, é o plano de desinvestimentos, mesmo o ritmo desse processo ficando mais lento devido ao novo cenário.
“Acreditamos que a estratégia da empresa é assertiva e lida com a questão do excesso de oferta e ajuda a reduzir custos em um cenário de menor preço do petróleo”, dizem.
De acordo com os analistas da Levante, a Petrobras está seguindo no caminho certo, mesmo diante de todo cenário global negativo para a commodity neste ano. “Esperamos impacto positivo no preço das ações (PETR3 e PETR4), mas outros drivers podem agir em paralelo a essas informações, como o cenário político doméstico e as fortes oscilações no preço internacional do barril do petróleo”, disse a casa de análises.
Segundo a Levante, os efeitos negativos devido a pandemia da covid-19 tiveram impacto limitado no primeiro trimestre em termos de produção e devem ser sentidos com maior força no segundo trimestre, quando o nível produzido será afetado pelas reduções já anunciadas pela empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *