Retração de 6,4% do PIB em 2020 será puxada por serviços e recuperação deve ser lenta

Sindicombustíveis Bahia apoia Campanha Made in Bahia
18/06/2020
Governo prorroga prazo de pagamento de PIS/Pasep e Cofins
19/06/2020
Mostrar tudo

Fonte: O Estado de S. Paulo

Ainda que abril tenha sido o fundo do poço da atividade econômica, em meio à pandemia de covid-19, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deverá encolher em 6,4% em 2020, nas projeções mais recentes do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). A queda recorde na atividade deverá ser puxada pelo setor de serviços, e uma retração duradoura no consumo das famílias dificultará uma recuperação rápida.

O Brasil pode ter uma retomada ainda mais lenta, por causa de incertezas provocadas pela política e pelo desequilíbrio das contas públicas, disseram pesquisadores do Ibre/FGV, que participaram nesta quinta-feira, 18, de um seminário online organizado em conjunto com o Estadão.

“Haverá uma queda muito expressiva em serviços. Historicamente, nunca vimos queda de serviços com essa magnitude”, afirmou a coordenadora do Boletim Macro do Ibre/FGV, Silvia Matos.

Segundo a pesquisadora, as projeções do Ibre/FGV apontam para quedas de 10% no comércio e de 14% no segmento de “outros serviços” em 2020 — e essas atividades respondem por 50% da mão de obra empregada no País. Por isso, o impacto sobre o consumo das famílias tende a ser “perene”, o que sugere que a recessão levará mais tempo.

Silvia lembrou que, num primeiro momento, o freio no consumo poderá ser amenizado pelas medidas lançadas pelo governo federal para mitigar a crise, como o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais e a antecipação de outros benefícios, como o 13º das aposentadorias.

Com os auxílios, a queda na “massa de rendimentos”, ou seja, todo o dinheiro disponível nas mãos das famílias, para poupar ou consumir, poderá ser pequena no segundo trimestre. Só que o alívio poderá ser temporário, levando a tombos nessa “massa de rendimentos” no terceiro e no quarto trimestres, o que levará a novas retrações no consumo.

Silvia reconheceu que, no segundo semestre, haverá muita pressão política para a ampliação dos auxílios emergenciais. O próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, já sinalização com a prorrogação. O problema, segundo Silvia, é que o “cobertor é curto” no Orçamento. O rombo nas contas do governo dificultará a postergação dos benefícios emergenciais por muito tempo, e, se isso for feito, “vamos ter crise fiscal”, disse Silvia.

Os desequilíbrios fiscais são um risco adicional para a economia brasileira, na comparação com outros países que enfrentam a mesma crise da covid-19. Nas projeções da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, o resultado primário — que desconsidera do balanço entre receitas e despesas os gastos com juros da dívida — de 2020 será um déficit de quase 13% do PIB. O rombo poderá chegar a R$ 912,4 bilhões este ano, segundo a IFI.

O chefe do Centro de Política Monetária do Ibre/FGV, José Júlio Senna, diz que o auxílio emergencial deve ser prorrogado, mas em níveis mais baixos. Ele alertou que tem havido um movimento na direção de mais gastos, que assusta. “No lugar de aproveitarmos o momento, eu fico com medo do meio político ir em outra direção, de aumento de gastos. O que tem de projetos bomba no Congresso é assustador”, ressaltou. Para ele, a decisão do ministro Paulo Guedes de propor o Renda Brasil, com a unificação dos programas sociais, é um movimento defensivo na tentativa de dar uma “organizada” no avanço da discussão de um programa de renda mínima. Silvia considera a discussão com uma oportunidade para tornar o gasto mais eficiente.

Por causa dos riscos associados ao desequilíbrio fiscal, Senna acha que o Banco Central (BC) errou ao anunciar, na noite de quarta-feira, 17,mais um corte na taxa básica de juros (Selic, que passou de 3,0% ao ano para 2,25% ao ano, menor nível da história). Na visão do especialista, que foi diretor do BC, a economia brasileira tem risco mais elevado, principalmente por causa do desequilíbrio fiscal, o que deveria estar refletido em taxa básica de juros maior.

“Não podemos caminhar para (juro) zero, como os (países) desenvolvidos”, afirmou Senna, também durante o seminário online.

Para o pesquisador do Ibre/FGV, levar a Selic abaixo de 3,0% poderá levar a altas ainda maiores na cotação do dólar, sem um benefício claro em termos de impulso da atividade econômica.

Silvia, do Boletim Macro do Ibre/FGV, lembrou ainda que o quadro fica mais difícil porque, “além da pandemia, com efeitos no mercado de trabalho e na atividade econômica, temos uma crise política”.

Também palestrante do seminário online, o coordenador de Economia Aplicada do Ibre/FGV, Armando Castelar, lembrou que o elevado nível de incertezas, tanto em relação à política quanto ao desequilíbrio das contas públicas, contribui para dificultar uma recuperação mais rápida da economia. Por isso, há mais chances de a recuperação ser “lenta” e “irregular”.

“É muita incerteza e incerteza não costuma ajudar”, disse Castelar. Na sua avaliação,os desafios daqui para frente serão enormes e, por isso, é hora de mudar o quadro de desunião. ” Alguns países têm sido eficientes de usar a crise como oportunidade de união. Tudo ficou mais difícil no Brasil pelo grau de briga politica. É importante atentar para isso e mudar o quadro”, ponderou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *