Conselho de Administração da Petrobras aprova venda da Refinaria Landulpho Alves na Bahia por US$ 1,65 bilhão

Petrobras reduz preço da gasolina pela 2ª vez em 5 dias
25/03/2021
Placa para detalhar preço do combustível passa a ser obrigatória
25/03/2021
Mostrar tudo

G1 BA

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) por US$ 1,65 bilhão (R$ 9,1 bilhões) nesta quarta-feira (24). Segundo informações da Petrobras, ainda nesta quarta, foi assinado o contrato com MC Brazil Downstream Participações, empresa do grupo Mubadala Capital, vencedora da disputa para compra da refinaria.

A refinaria fica na cidade de São Francisco do Conde, região metropolitana de Salvador e teve origem impulsionada pela descoberta do petróleo no estado baiano. A operação da Rlam possibilitou o desenvolvimento do primeiro complexo petroquímico do país, o de Camaçari.

A Rlam será a primeira dentre as oito que estão em processo de venda com contrato assinado. Também foi aprovada a venda dos ativos logísticos da refinaria. A operação ainda será aprovada por órgãos reguladores.

A Refinaria Landulpho Alves é a primeira refinaria nacional de petróleo, criada em setembro de 1950. O local possui capacidade de processamento de 333 mil barris/dia, cerca de 14% da capacidade total de refino de petróleo do país. Os ativos da refinaria incluem quatro terminais de armazenamento e um conjunto de oleodutos que interligam a refinaria e os terminais.

Segundo a Petrobras, o contrato prevê ajustes no valor da venda em função de variações no capital de giro, dívida líquida e investimentos até o fechamento da transação, e que a operação está sujeita ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Até o cumprimento das condições para o fechamento da transação, a Petrobras informou que vai manter normalmente a operação da refinaria e de todos os ativos associados. Além disso, depois do fechamento, a Petrobras continuará apoiando a Mubadala Capital nas operações da refinaria durante período de transição.

De acordo com a empresa, nenhum empregado da companhia será demitido por causa da transferência do controle da refinaria para o novo dono. Os empregados da Petrobras que decidirem permanecer na companhia poderão optar por transferência para outras áreas da empresa ou para adesão ao Programa de Desligamento Voluntário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *