Investigação da PF contradiz tese de Bolsonaro sobre aumento de preços da gasolina por causa do PCC

Preços do petróleo saltam quase 4% com retomada lenta de produção no Texas
23/02/2021
Interferência de Bolsonaro no preço de combustíveis afeta produção de etanol
23/02/2021
Mostrar tudo

Folha de S.Paulo

A relação feita por Jair Bolsonaro entre o preço dos combustíveis e fraudes não coibidas em postos de gasolina não bate com tese defendida pela Polícia Federal. O presidente citou a presença do PCC no setor e mencionou que o preço poderia ser “no mínimo 15% mais barato”.
O provável exemplo usado por Bolsonaro, porém, desmente a sua própria tese. A investigação da PF que trata da facção em postos traça cenário contrário: possível prática de concorrência desleal, com preços mais baixos.
Bolsonaro citou o PCC no sábado (20), mas sem explicar a origem da informação. Sugeriu, no entanto, que a presença da facção contribuiria para preços altos. A PF apura na Operação Reis do Crime se a rede de postos Boxter, de São Paulo, foi utilizada para lavar dinheiro de integrantes da cúpula do grupo criminoso, entre eles Marcos Camacho, o Marcola.
Na investigação, porém, a PF justificou a necessidade de prisão de alguns suspeitos como forma de garantir a ordem econômica. Para os policiais, como os postos serviam à lavagem de dinheiro do narcotráfico, eles tinham capacidade para manter “um preço economicamente mais viável, ou seja, mais barato, causando desta forma concorrência desleal”.
A investigação prendeu 13 pessoas envolvidas no esquema em setembro de 2020. Ao pedir a prisão, o delegado diz que 40 dos 120 postos da rede Boxter seriam da família Cepeda, investigada por ligação com o PCC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *