Leilão de biodiesel negocia 1,05 bilhão de litros, refletindo redução da mistura obrigatória

Sonegação anual de impostos no setor de combustíveis chega a R$14 bilhões, aponta estudo da FGV
27/04/2021
Neste primeiro mês de safra 21/22, preço do hidratado sobe 15,5%
27/04/2021
Mostrar tudo

Valor médio de R$ 5,536 por litro ficou 26,5% abaixo do preço máximo de referência

EPBR

O 79º leilão de biodiesel (L79) negociou 1,05 bilhão de litros a um preço médio de R$ 5,536 por litro. O valor total negociado ficou em R$ 5,82 bilhões, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
O volume representa queda de cerca de 260 milhões de litros em relação ao comercializado no leilão anterior (L78), quando a mistura obrigatória de biodiesel no diesel estava em 13% (B13).
Promovido no início de abril para abastecer o mercado nos meses de maio e junho, o L79 começou com os produtores ofertando 1,5 bilhão de litros para atender o B13, mas foi interrompido a pedido do Ministério de Minas e Energia (MME), que reduziu para 10% a mistura obrigatória.
A preocupação do governo era o impacto do preço do biocombustível no diesel B (diesel fóssil + biodiesel) vendido nos postos, já que, no início do L79, o produto de origem renovável chegou a ser comercializado por valores acima de R$ 7.
A redução para B10 desagradou o setor produtivo, que estimou um prejuízo da ordem de R$ 2 bilhões com volumes que deixaram de ser arrematados por conta da demanda menor.
O preço médio de R$ 5,536/litro, sem considerar a margem da adquirente, refletiu um deságio médio de 26,5% quando comparado com a média ponderada dos Preços Máximos de Referência regionais (R$ 7,529/L) estabelecidos no edital.

Associações estimam impactos no PIB
Abiove, Aprobio e Ubrabio (associações do setor de biodiesel) encomendaram um estudo da GO Advogados (.pdf) sobre os impactos econômicos da redução da mistura de biodiesel no diesel de 13% para 10%.
O trabalho estimou que cada ponto percentual a menos de biodiesel elimina cerca de 34 mil postos de trabalho, encolhe em R$ 107 milhões a arrecadação de tributos e diminui o Produto Interno Bruto (PIB) do País em aproximadamente R$ 4,7 bilhões.
“A mudança na política inviabiliza a solvência dos novos investimentos e dos já realizados, muitos deles financiados por agente públicos, trazendo a possibilidade de falências em cadeia no setor. Ademais, a produção de biocombustíveis constitui uma atividade de alto valor agregado e, portanto, um importante canal de irrigação de renda e emprego para municípios pequenos”, alerta o documento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *