Nissan terá novidades sobre células de combustível com etanol

Curso de Formação de Gerente, ainda dá tempo de se inscrever
25/02/2021
MME viabiliza investimentos da ordem de R$ 110 milhões em dutovias para a movimentação de combustíveis
26/02/2021
Mostrar tudo

Automotive Business

Desde 2016 que a Nissan vem trabalhando numa alternativa ao carro elétrico, as células de combustível abastecidas com etanol em vez de hidrogênio. A tecnologia chamada SOFC terá novidades em breve, de acordo com o site Automotive Business.

A Célula de Combustível de Óxido Sólido foi testada pela primeira vez no mundo em 2016 e 2017, mas não no Japão. De acordo com a Nissan, o primeiro país a usar o sistema foi o Brasil, onde duas vans e-NV200 foram usadas em ruas e estradas nacionais.

Após testes no Brasil, a SOFC está sendo avaliada no Japão. Aqui, as células de combustível garantiram mais de 600 km de autonomia com 30 litros de álcool, o que dá mais de 20 km/l.

Não parece muito, porém, sabe-se que pode rodar com 55% de água no combustível vegetal. Esse é o percentual de água que pode estar misturado no etanol, nesse caso, ‘batizado’ em um enorme tanque daqueles postos sem nome? De qualquer modo, isso era ótimo em 2016 e mostra que se lá já fazia isso, hoje pode fazer melhor.

Obviamente, a Nissan não dá dicas sobre o que vem por aí, dizendo que seus ‘técnicos acompanham de perto a performance dos dois furgões, que seguem em testes no Japão’, diz Ricardo Abe, gerente sênior de engenharia de produto da Nissan.

Com ‘boas novidades’ sobre o assunto, Abe sugere que o Brasil participará de novas etapas no desenvolvimento da tecnologia, com inúmeras vantagens em relação ao uso do hidrogênio.

Tendo participação do Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares da USP) e do Laboratório de Genômica e BioEnergia da Unicamp, o programa tem no Brasil o cenário ideal para implantação do projeto.

Usando etanol, carros com células de combustível de óxido sólido não precisariam da infraestrutura complexa para o hidrogênio, emitindo zero grama de CO2 e ainda produzindo água como resultado do processo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *