Petrobras eleva gasolina em 10% nas refinarias, na 2ª alta de maio

Abastecer com etanol só vale a pena em 5 Estados; veja quais são
14/05/2020
Sindicombustíveis Bahia lança o Papo Virtual com a Revenda
14/05/2020
Mostrar tudo

Fonte: Reuters

A Petrobras elevará o preço médio da gasolina nas refinarias em 10% a partir de quinta-feira, na segunda alta do combustível fóssil realizada neste mês, na esteira de uma recuperação recente dos preços internacionais do petróleo, apontou a petroleira nesta quarta-feira.

Ainda assim, a gasolina da petroleira estatal —responsável por quase 100% da capacidade de refino do país— acumula queda de cerca de 40% neste ano, impactada por uma diminuição dos preços do petróleo e de seus derivados diante da propagação do novo coronavírus, que reduziu a demanda global.

Em 7 de maio, a empresa havia elevado em 12% o preço médio da gasolina vendida às distribuidoras.

Os preços do petróleo Brent tiveram aumento de cerca de 15% neste mês, reagindo a cortes de produção e a um relaxamento de medidas de isolamento social tomadas em função da pandemia nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.

Em contrapartida, a Petrobras manteve o preço do diesel, o combustível mais consumido no país. No caso desse produto, a queda acumulada nas refinarias no ano é de 44%.

PARIDADE DE IMPORTAÇÃO

Apesar do reajuste, o chefe da área de óleo e gás da consultoria INTL FCStone, Thadeu Silva, afirmou que a gasolina da petroleira permanece com defasagem em relação ao valor internacional.

Segundo ele, o aumento foi de 0,1097 real por litro, quando teria de ser de pelo menos 0,20 real por litro para que estivesse em linha com o mercado internacional.

“Ou seja, a conta para a importação de gasolina continua muito complexa e o setor sucroalcooleiro pode continuar reclamando”, afirmou o especialista.

O recuo dos preços da gasolina neste ano reduziu a competitividade do etanol hidratado, seu concorrente nas bombas. Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro barrou um pedido do segmento sucroenergético para um aumento da Cide no combustível fóssil.

A política de preços da Petrobras busca seguir valores de paridade de importação, que leva em conta preços no mercado internacional mais os custos de importadores, como transporte e taxas portuárias, com impacto também do câmbio. No entanto, a empresa tem evitado repassar volatilidade ao mercado interno.

Em relatório a clientes nesta quarta-feira, o banco UBS alertou para o risco de ingerências políticas na estratégia de preços da Petrobras, após o presidente Jair Bolsonaro ter comentado publicamente sobre a última alta anunciada na gasolina.

“Já vimos comentários semelhantes e os investidores sabem o custo que isso pode causar à empresa”, disse o relatório do UBS, referindo-se a governos anteriores, que fizeram a Petrobras subsidiar gasolina, causando bilhões de dólares de prejuízos à estatal.

No entanto, o UBS ressaltou acreditar “que a administração da Petrobras tem feito um excelente trabalho mantendo os preços domésticos de combustíveis alinhados com a paridade internacional na maioria das vezes”.

Antes do reajuste anunciado nesta quarta-feira, o UBS calculava uma defasagem de 14% para gasolina.

O repasse de ajustes em valores da gasolina cobrados nas refinarias aos consumidores finais, nos postos, não é imediato e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *