Petróleo fecha em alta, em recuperação modesta após tombo da véspera

DIA DO REVENDEDOR!
20/07/2021
Petrobras recebe indicações do governo para conselho
21/07/2021
Mostrar tudo

Valor Econômico

Os preços do petróleo fecharam a terça-feira (20) em alta, um dia depois de as referências terem registrado sua maior queda diária em meses, em meio aos sinais de que um mercado físico apertado pode acalmar as preocupações sobre as perspectivas econômicas ligadas à propagação da variante Delta do coronavírus.

Na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex), os preços do WTI para agosto subiram 1,50%, a US$ 67,42 o barril, enquanto os contratos do Brent para entrega em setembro avançaram 1,06%, a US$ 69,35 o barril, na ICE, em Londres.

Os preços “se estabilizaram um pouco” após a queda observada ontem, que foi “desencadeada por um aumento nos casos de covid-19 causados pela variante Delta”, disse Naeem Aslam, analista-chefe da AvaTrade, em uma atualização de mercado. “Os preços da commodity caíram devido à incerteza sobre as perspectivas futuras da demanda por petróleo, já que os investidores temem a retomada dos bloqueios e um aumento na oferta após o acordo da Opep +”, disse.

No entanto, os agentes do mercado devem ter em mente que a economia dos Estados Unidos está “se recuperando rapidamente, conforme evidenciado pelas reservas em restaurantes e voos domésticos voltando aos níveis pré-pandêmicos”, disse Aslam. “Isso demonstra que é improvável que os bloqueios nacionais anteriores ocorram novamente.”

A oferta de petróleo também está diminuindo, com os estoques de petróleo dos EUA abaixo da média de cinco anos para esta época do ano. A Administração de Informação de Energia (EIA, órgão ligado ao Departamento de Energia) relatou quedas semanais na oferta de petróleo por oito semanas consecutivas, e mais uma queda no relatório de amanhã é esperada.

Em média, os analistas esperam que o EIA relate uma queda de 3,7 milhões de barris nos estoques domésticos de petróleo para a semana encerrada em 16 de julho, de acordo com uma pesquisa conduzida pelo “Wall Street Journal”. Eles também esperam uma queda de estoque de 1,1 milhão de barris para a gasolina e uma alta de 700 mil nos estoques de destilados.

“O mercado físico de petróleo bruto tem estado apertado nos últimos meses, com a recuperação econômica em curso provavelmente continuando a apoiar a demanda de petróleo no segundo semestre do ano”, disse Warren Patterson, chefe de estratégia de commodities do ING, em uma nota. “Os aumentos de produção da Opep + ajudarão a aliviar um pouco o aperto na oferta pelo resto do ano, mas podem não ser suficientes para preencher toda a lacuna, de acordo com as estimativas da Agência Internacional de Energia (AIE) divulgadas no início do mês”, disse Patterson.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *