PetroRio compra blocos da BP e vê bons ganhos mesmo com petróleo barato

Preços do petróleo caem com preocupação por disparada em casos de coronavírus
20/11/2020
Raízen, Ultra e Mubadala devem liderar disputa por refinarias da Petrobrás
20/11/2020
Mostrar tudo

(Reuters) – A PetroRio fechou a compra de fatias da britânica BP em dois blocos no pré-sal, em uma rara transação na região altamente produtiva, por 100 milhões de dólares, o que tornará a companhia brasileira operadora dos ativos.
O negócio anunciado nesta quinta-feira, que impulsionou em cerca de 25% as ações da PetroRio, envolve a compra de 35,7% no bloco BM-C-30, que abriga o campo de Wahoo, e 60% do bloco BM-C-32 (Itaipu), permitindo que a empresa explore sinergias com suas operações atuais, disse o CEO da PetroRio, Roberto Monteiro.
Os planos da petroleira preveem explorar Wahoo com um navio-plataforma (FPSO) que já tem sido usado em seu campo de Frade.
“Esse campo (Wahoo) não é só resiliente por si só, como ele também deixa a PetroRio muito mais resiliente, contribui muito para a empresa como um todo. A preços de hoje do petróleo, esse investimento tem as maiores taxas de retorno que já tivemos dentro da companhia, é realmente diferenciado”, afirmou.
As cotações do petróleo Brent, referência internacional, estão na casa de 44 dólares por barril, depois de terem começado o ano perto de 70 dólares, em meio aos impactos da crise do coronavírus sobre a demanda global por combustíveis.
Com potencial para extração de mais de 140 milhões de barris, Wahoo teve descoberta de óleo em 2008 e teste de formação em 2010. A PetroRio avalia que a produção do campo poderá superar 40.000 barris por dia.
Para explorar a área com o FPSO de Frade, a empresa prevê investir 300 milhões de dólares no chamado “tieback”, além de 40 milhões de dólares em ajustes e outros itens. São estimados ainda 360 milhões de dólares em perfuração de poços e 100 milhões de dólares para equipamentos “subsea”.
A PetroRio pretende realizar esses aportes em regime de parceria com os membros do consórcio responsável por Wahoo– IBV (35,7%) e Total (28,6%) –mas também está pronta a levar a iniciativa adiante sozinha se necessário.
“Os sócios vão poder querer participar ou não. Podemos pensar em fazer a operação sozinhos. Vamos ter que levantar mais dinheiro, mas os retornos também são muito maiores”, afirmou.
Segundo Monteiro, a companhia teria duas alternativas para financiar os investimentos –com dívida ou emissão de novas ações, embora a visão sobre o endividamento seja cautelosa, devido à meta de manter uma alavancagem saudável.
O primeiro óleo de Wahoo deve acontecer em aproximadamente dois anos após o início do projeto.
“Quando você começa com o primeiro óleo, depois você coloca 40 mil bpd para produzir rapidamente”, projetou Monteiro. Ele disse que o patamar deve ser atingido com a perfuração de 4 poços, que poderiam ser concluídos em de dois a três meses cada.
O plano de desenvolvimento do campo deve estar pronto em meados de 2021, quando também são previstas as negociações com os possíveis parceiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *