Preços do petróleo disparam a máximas de 1 ano após Opep+ manter cortes de produção

Projeto prevê subsídio de 50% do valor do gás de cozinha para famílias de baixa renda
05/03/2021
Petroleiros de seis estados anunciam greve contra “privatização” da Petrobras
05/03/2021
Mostrar tudo

Money Times

Os preços do petróleo engataram um rali de mais de 4% nesta quinta-feira, atingindo o maior patamar em mais de um ano, após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados concordarem em manter o nível de produção da commodity inalterado até abril, argumentando que a recuperação da demanda em meio à pandemia de coronavírus ainda é frágil.
O petróleo Brent fechou em alta de 2,67 dólares, ou 4,2%, a 66,74 dólares por barril, depois de alcançar a marca de 67,75 dólares, mais alto nível desde janeiro de 2020.
Já os contratos futuros do petróleo dos Estados Unidos (WTI) avançaram 2,25 dólares, ou 4,2%, para 63,83 dólares o barril, também tendo registrado uma máxima desde janeiro de 2020, a 64,86 dólares.
“A Opep nos surpreendeu… A mensagem que a Opep está passando para o mercado é de que eles estão bastante dispostos a ver os preços do petróleo subirem e, em última análise, percorrer um longo caminho na redução do estoque acumulado no ano passado por causa da Covid-19”, disse Bart Melek, chefe de estratégias de commodities da TD Securities.
Alguns analistas projetavam que a Opep+, aliança que reúne a Opep e outros grandes produtores, aumentaria o bombeamento em cerca de 500 mil barris por dia (bpd).
A Arábia Saudita, líder do grupo, disse que vai estender seu corte voluntário de produção de 1 milhão de bpd, e que decidirá nos próximos meses o momento em que a medida deverá ser gradualmente eliminada.
“No entanto, há um pequeno problema no coquetel altista, e pouquíssimos estão surpresos. A Rússia quer aumentar a produção”, disse em nota o chefe de mercados de petróleo da Rystad Energy, Bjornar Tonhaugen.
O Minaspetro divulga notícias de outros veículos como mera prestação de serviço. Esses conteúdos não refletem necessariamente o posicionamento do Sindicato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *