Senado vai ao STF para barrar venda de refinarias da Petrobras

GranBio firma parceria com grupo italiano para licenciar tecnologia de etanol celulósico
03/08/2020
Petrobras avalia que venda da Rlam está próxima e mantém plano para IPO de gasodutos
03/08/2020
Mostrar tudo

Fonte: Veja

Está nas mãos do presidente do STF, ministro Dias Toffoli, um pedido de concessão de tutela de urgência enviado pela mesa do Senado e do Congresso que tenta impedir que a Petrobras venda suas refinarias sem autorização legislativa. A petição foi encaminhada à Corte nesta quarta-feira.
A estatal está em processo de negociação para a venda da refinaria Rlam, na Bahia, que teve parecer positivo do TCU nesta semana.
No requerimento, o Congresso afirma que há sólidos fundamentos que evidenciam a utilização, pela Petrobras, de “estratagema consistente na constituição de subsidiárias e transferência de refinarias para essas empresas, com a exclusiva finalidade de aliená-las” sem necessidade de prévia autorização legislativa.
Segundo o documento, há desvio de finalidade na constituição de subsidiárias para escapar ao controle legislativo, numa espécie de manobra. É que, em decisão de 2019 sobre a Lei das Estatais, o STF permitiu que essas empresas vendam subsidiárias sem o crivo legislativo, mas o mesmo não vale para a matriz.
Na interpretação do Senado, porém, o acórdão do STF abre brecha para que qualquer estatal, em desvio de finalidade, crie subsidiárias para depois aliená-las, sem o devido controle legislativo.
“A decisão da Suprema Corte constituiria uma proibição para inglês ver: basta que a companhia constitua uma subsidiária e – tão fácil como absurdamente! – escapará do âmbito de incidência da norma que determina a autorização legislativa para alienação”, diz o requerimento.
Como o recesso do Judiciário termina na segunda-feira, caso Toffoli não decida, caberá ao ministro Ricardo Lewandowski, relator original do caso, se pronunciar sobre o pedido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *