Adriano Pires: O problema não é o posto e, sim… o imposto

Para distribuidores, cartel da gasolina é ‘factoide’
10/02/2018
Distribuidoras de combustíveis dizem que não existe cartel no setor
10/02/2018
Mostrar tudo

Fonte: O Globo (Ancelmo Gois)

“Muito se tem falado sobre os altos preços da gasolina na bomba, mas poucos consumidores sabem que, quando colocam 1 litro de gasolina no carro, 50% do valor vem de impostos federais e estaduais. Ou seja: a razão principal dos preços altos da gasolina, hoje, são os custos dos impostos e do petróleo. Portanto, é preciso rever a política tributária que incide na gasolina, a partir do fato de que não teremos mais intervenções nos preços. O correto é reduzir impostos quando o petróleo está caro, e aumentar quando o barril estiver barato — como ocorre em países que seguem regras de mercado para os combustíveis —, e combater práticas de cartel quando for provado que existem. A coincidência ruim e que vem promovendo essa discussão acalorada é que o fim da política do intervencionismo nos preços da gasolina, que tanto lesou a Petrobras nos governos do PT, ocorreu num momento em que o barril de petróleo foi de US$ 40 para 70, e a carga de impostos cresceu muito em função da grave crise fiscal da União e dos estados. O que não podemos permitir é que haja um retrocesso e, para isso, é preciso que a sociedade saiba o que realmente o que está ocorrendo, porque isso explica o atual preço elevado da gasolina”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *