Comissão pode votar projeto que permite motor a diesel em veículos leves

Unica critica projeto que autoriza carro movido a diesel
23/11/2016
AIE vê mudança na demanda por gasolina com carros elétricos
23/11/2016
Mostrar tudo

Fonte: UDOP

A Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves pode votar nesta quarta-feira (23) o parecer favorável do relator, deputado Evandro Roman (PSD-PR), ao projeto que autoriza a fabricação e a comercialização de veículos leves movidos a óleo diesel (PL 1013/11).

Roman elaborou um texto substitutivo ao projeto apresentado pelo deputado Aureo (SD-RJ), que originalmente ampliava o uso de diesel apenas para veículos automotivos utilitários de médio porte. No substitutivo, o relator permite o motor a diesel para veículos leves e acolhe emenda do deputado Bruno Covas (PSDB-SP) estipulando que a medida estará condicionada ao atendimento dos padrões de qualidade do ar estipulados pelo Poder Executivo.

O projeto gerou polêmica na fase de debates na comissão, principalmente em relação à poluição causada pelo diesel. Para Covas, liberar carros movidos a diesel vai contra os princípios de desenvolvimento ambiental seguidos pelo Brasil. Em reunião da comissão, ele defendeu medidas favoráveis ao desenvolvimento de carros movidos por fontes renováveis, como a energia solar, e não à energia dependente de carbono. “A Europa discute a restrição de carros movidos a diesel, e nós debatemos a legalização. Ficaremos com o lixo tecnológico que vai ser proibido lá fora”, disse.

Agricultura

Já o autor da proposta, deputado Aureo, afirmou que, se aprovado, o projeto beneficiará os pequenos agricultores. Ele considera que, tendo um menor custo com o combustível, esses trabalhadores poderão oferecer um menor preço nos seus produtos, o que também beneficia o consumidor. Além disso, Aureo ressaltou que o consumidor terá maior variedade na hora de abastecer o veículo.

Em contrapartida, o deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP) afirmou que a regularização do uso de diesel em veículos leves afetará milhares de trabalhadores que estão inclusos na produção do álcool. “Não temos condições de ser independentes no diesel e na gasolina, porém no álcool temos tecnologia de ponta que chega a ser exportada. Talvez possamos pensar no biodiesel”, declarou.

Para Bruno Covas, mesmo acrescentando o biodiesel ao diesel mineral, a oferta interna não será suficiente e o País continuará importando o produto.

Tramitação

O projeto tem caráter conclusivo e, caso seja aprovado pela comissão especial, será encaminhado para análise do Senado.

A reunião está marcada para as 14h30, em plenário a definir.

21/11/16
Fonte: Agência Câmara

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *