Como a “gestão Ambev” pode mudar a Petrobras

É urgente flexibilizar a cláusula de conteúdo local
04/11/2016
Pequenas e médias petroleiras voltam a investir no Brasil
04/11/2016
Mostrar tudo

Fonte: Portal Exame

Depois que Pedro Parente assumiu a Petrobras, a confiança do mercado na petroleira dá mostras de estar se fortalecendo. Parte desse sucesso se deve a um novo modelo de gestão adotado pela empresa, conhecido no Brasil por ter sido adotado com sucesso por Jorge Paulo Lemann naAmbev.
Com o novo modelo, a Petrobras espera reduzir os custos operacionais em US$ 27 bilhões entre 2017 e 2021, o que representa um corte de 18% em relação à estimativa anterior.
Mas, afinal, o que é a “gestão Ambev” e que benefícios ela pode trazer para uma empresa, especialmente à Petrobras, que andava com a imagem tão combalida, entre escândalos da Lava Jato e investimentos fracassados?
Para começar, o nome oficial é “orçamento base zero”. Ele foi implantado pelo setor públicodos Estados Unidos na década de 1970 e consiste em uma forma radical de cortar custos e melhorar a eficiência de uma empresa.
No orçamento tradicional, os custos são incrementais: o gasto do próximo ano é planejado, levando-se em conta os gastos do ano anterior e acrescentando a inflação do período como ajuste.
No orçamento base zero, cada setor de uma empresa precisa justificar, ponto a ponto, os gastos que já são adotados, o que leva a um exame de prioridades e ao corte de atividades supérfluas, fazendo com que a empresa ganhe em produtividade.
“Os processos revistos são monitorados e os desvios corrigidos permanentemente, buscando a melhoria contínua. Em resumo: partimos do princípio de que tudo pode ser reavaliado e que cada atividade e processo tem que ser justificado como se não estivesse ali”, explica Nelson Silva, o diretor de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão da Petrobras, trazido por Parente da presidência da BG para comandar a área durante seu mandato.
Como isso se aplica à Petrobras?
Segundo fontes próximas ao processo na Petrobras, o maior desafio para a implantação é o aprendizado de novas práticas, a criação do hábito de identificar os gargalos e transferir conhecimentos.
A velocidade das mudanças também é crucial neste caso, já que as variações do preço do petróleo têm um impacto significativo no orçamento e planejamento da empresa, e as novas práticas precisam ser adotadas o quanto antes.
Para William Eid Junior, coordenador do Centro de Estudos de Finanças da FGV/EAESP, o orçamento base zero é “sempre a melhor alternativa”, e para a Petrobras, que tem vários vícios de gestão, é melhor ainda.
Por nunca ter trabalhado com o orçamento base zero, praticamente todos os custos da empresa podem ser cortados em alguma medida. Em todas as empresas, há custos que ninguém questiona e, por isso, é importante o espírito de “vamos começar de novo”, segundo Eid.
A Petrobras ainda tem várias subsidiárias e sedes, o que permite que setores separados da empresa “aprendam” boas práticas uns com os outros.
Além disso, o processo é facilitado por uma particularidade: a de que os funcionários têm orgulho de trabalhar na empresa e querem, mais do que ninguém, a reabilitação da imagem da estatal.
Uma “nova virada” para a empresa
Em termos históricos, o atual momento vivido pela empresa pode ser visto como um novo “ponto de virada”, como foi a gestão de Philippe Reichstul, segundo a jornalista Roberta Paduan, autora do livro Petrobras – Uma história de orgulho e vergonha.
A jornalista afirmou que, na gestão Reichstul (que queria até mudar o nome da empresa para Petrobrax), a estatal viveu um ponto de inflexão importante, construindo uma relação de confiança com o mercado e se abrindo a práticas de gestão mais eficientes.
Pessoas próximas do processo entrevistadas por ela veem o momento (entre o final da década de 1990 e o início dos anos 2000) como um “cavalo de pau” na gestão da empresa.
“O plano de negócios e o plano estratégico da Petrobras começaram a ser divulgados para o mercado. As pessoas ficaram fãs da empresa. Ele chamou consultorias internacionais para comparar a Petrobras com as majors do setor”, afirmou a jornalista.
Segundo ela, os últimos quatro governos surfaram a boa onda da Petrobras, mas criaram uma cultura de gastos de quem nunca teve que se preocupar com receita.
“A empresa fez investimentos bilionários, sem pensar em custos, ela tinha muita facilidade para se financiar”, contou.
Agora, com a gestão de Parente, ela acredita que a adoção do orçamento base zero possa significar um novo ponto de virada, para uma gestão mais consciente e conservadora em relação aos gastos.
“Talvez ele esteja usando o modelo para chacoalhar e repensar a empresa inteira e os processos, eliminar o histórico de gastos e repensar custos e investimentos”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *