Entraves à venda de ativos podem dificultar recuperação da Petrobras

Clash Of Clans Cheat And Hack Tool
03/03/2017
Petrobras tenta reverter perda milionária com gás
05/03/2017
Mostrar tudo

Fonte: O GLOBO

RIO – Sem poder tocar seu programa de venda de ativos desde dezembro do ano passado, a direção da Petrobras está preocupada com o futuro dos negócios da companhia nos próximos meses. Impedida, desde 7 de dezembro, por decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de continuar as negociações — que se somou a várias liminares na Justiça —, a estatal corre o risco de não conseguir executar seu programa de investimentos para este ano, da ordem de US$ 15 bilhões, sem os recursos adicionais. E, quanto mais demorar para se chegar a uma solução do impasse, maior é a probabilidade de as empresas com as quais a Petrobras vinha negociando desistirem dos negócios. Além disso, a estatal pode não conseguir novos parceiros.
A Petrobras espera que o TCU julgue o processo da venda de ativos no próximo dia 8, liberando-a para retomar seu programa de parcerias, afirmou uma fonte. O TCU aprovou em dezembro uma medida cautelar que proíbe a estatal de concluir a venda de novos ativos e de iniciar novos projetos, à exceção de cinco que já estavam em fase de negociação adiantada.
— Ou vende ativos para capitalizar a empresa, ou não se tem recursos para tocar os projetos. Com o elevado endividamento, a companhia não pode tomar mais empréstimos para investir, apenas para alongar as dívidas — destacou uma fonte próxima à estatal.
‘UM DOS PILARES’
Em nota, a Petrobras disse que trabalhou no aprimoramento de sua sistemática de venda de ativos e que aguarda a avaliação do TCU. A estatal deixou claro que o programa de parcerias e venda de ativos “é um dos pilares” para a sua recuperação financeira. E, em comunicado interno aos empregados no último dia 2, o presidente da companhia, Pedro Parente, destacou que a venda de ativos é fundamental para a sobrevivência da petrolífera.
Publicidade
Parente ressaltou, no comunicado, que “parcerias e desinvestimentos são uma forma de evitar que sacrifiquemos nossos investimentos, para pagar a nossa dívida, que, como sabemos, ainda é muito elevada”. O endividamento, de R$ 398,2 bilhões (até o terceiro trimestre de 2016), foi afetado nos últimos dois anos pelas consequências da revelação dos casos de corrupção e pela queda nos preços internacionais do petróleo.
Assim, para conseguir tocar seu plano de investimentos, a Petrobras incluiu em sua lista de ativos à venda participações em campos de petróleo, empresas petroquímicas, de fertilizantes, terminais de regaseificação e usinas produtoras de álcool e biodiesel, entre outras.
No entanto, ao mesmo tempo em que estão a cada dia mais preocupados, os diretores da Petrobras se mostram otimistas em relação a uma decisão do TCU. Isso porque o ministro do TCU José Múcio deverá levar de volta ao plenário, no próximo dia 8, o processo referente à venda de ativos da Petrobras, do qual é relator.
De acordo com outra fonte, a direção da Petrobras espera que, além da medida cautelar que suspendeu a venda de ativos, seja julgado o seu mérito, para encerrar a questão de uma vez por todas, a fim de evitar futuros questionamentos do TCU.
— A Petrobras está muito preocupada com a demora em tocar seu programa de venda de ativos, fundamental para prosseguir em seu projeto de recuperação da companhia, mas, ao mesmo tempo, está confiante de que o TCU vai liberar o processo — disse essa fonte.
MUDANÇAS NO PROCESSO
Segundo essa mesma fonte, a Petrobras aceitou e está adotando várias exigências feitas pelo TCU. A estatal se comprometeu a divulgar ao mercado que está colocando à venda determinado ativo ou parte dele, bem como a publicar a lista de todas as empresas e potenciais interessados em cada um dos itens em negociação. De acordo com o TCU, essas mudanças visam a tornar o processo de venda de ativos mais transparente e permitir maior competição.
Segundo essa fonte, haverá mudanças no processo de acompanhamento da venda de ativos. Antes, este era monitorado pelo diretor financeiro da companhia, Ivan Monteiro, e pelo diretor da área do ativo objeto da negociação. Agora, todos os diretores da estatal vão acompanhar todas as etapas do processo.
META DE US$ 21 BILHÕES
Por conta de liminares na Justiça, que se somaram ao impasse com o TCU, a Petrobras não conseguiu atingir a meta de US$ 15,1 bilhões em vendas de ativos que previa para o período de 2015/16. As operações totalizaram US$ 13,6 bilhões. Para o período de 2017/18, a meta é bem maior: US$ 21 bilhões.
No início de fevereiro, o Tribunal chegou a retomar a discussão, mas uma eventual decisão sobre o mérito do caso foi adiada devido ao pedido de vista do ministro Bruno Dantas. Com isso, a cautelar continua em vigor. Dantas fez suas instruções e as apresentou ao relator do processo. Com isso, em vez de submeter seu voto ao plenário na reunião de 22 de fevereiro, o ministro José Múcio decidiu incorporar as sugestões de Dantas para a sessão do próximo dia 8.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *