Etanol 2G: produção da Raízen avança, mas deve ficar abaixo de 50% da capacidade

ANP quer atrair mais agentes financeiros para leilões de petróleo do Brasil
27/04/2017
Exportações de açúcar e etanol do centro-sul cairão em 2017/18, estima Unica
27/04/2017
Mostrar tudo

Secretaria de Energia e Mineração download film Godha

A produção de etanol de segunda geração (2G) da Raízen deverá alcançar 16 milhões de litros ao longo da safra 2017/18.
O volume representa pouco mais que o dobro do produzido na temporada anterior, mas ficará abaixo de 50% da capacidade instalada da companhia sucroenergética.
A Raízen produz etanol 2G desde 2014 em unidade produtora localizada em Piracicaba (SP).
A companhia, que é controlada pela Shell e pela Cosan, está apta a produzir 40 milhões de litros de etanol 2G por safra.
Conforme apurou o JornalCana, dos pouco menos de 8 milhões de litros de biocombustível 2G processados na safra 16/17, parte dessa produção foi exportada.
A venda desse etanol no mercado externo é remuneradora porque obtém prêmio devido a sua qualificação em reduções de emissões de carbono.
Custo
O custo de produção do 2G ainda é um desafio para os executivos da empresa. O JornalCana obteve informações de executivos ligados ao processo de que a Raízen obterá a redução esperada no custo quando produzir 100% da capacidade instalada.
A planta 2G da Raízen exigiu investimentos de R$ 237 milhões em pesquisa, desenvolvimento e infraestrutura.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *