Petroleiras e montadoras divergem em debate custoso sobre veículos elétricos
07/12/2016
Gasolina e diesel ficam mais caros nas refinarias por causa reajuste
07/12/2016
Mostrar tudo

Fonte: Valor Online

Considerada a prova dos nove da política de preços da Petrobras, a elevação dos preços da gasolina e do diesel anunciada pela estatal na segunda-feira deve garantir um ganho de competitividade para o etanol no curto prazo, segundo analistas e executivos consultados pelo Valor. A expectativa é de que os preços da gasolina sejam reajustados já nesta semana nos postos, e o reflexo sobre os valores do etanol deve ocorrer em cerca de duas semanas, tornando-o mais vantajoso nesse período. Esse costuma ser o tempo que o preço do etanol, concorrente da gasolina, leva para reagir a alterações nos valores do combustível fóssil, afirma Martinho Ono, presidente da SCA Trading. Atualmente, os preços do etanol equivalem a 77% do valor da gasolina nos postos paulistas, acima do patamar em que o biocombustível é considerado igualmente competitivo, de 70%. Ono acredita que, nas próximas semanas, essa relação possa ir a 70%, ou o preço do etanol pode voltar a ficar R$ 1 o litro mais barato que a gasolina, o que também atrai os consumidores. Fábio Venturelli, CEO do Grupo São Martinho, vê possibilidade de aumento da demanda pelo biocombustível neste momento. “Pode ter um impacto, sim, porque a resposta dos dois combustíveis não é necessariamente na mesma velocidade. Um anúncio de aumento de gasolina sempre gera uma demanda um pouco maior de álcool”, observou. Ele ponderou que “tudo é muito novo para antecipar impacto imediato”. Segundo Ono, a demora para o preço do etanol acompanhar a gasolina está relacionada à rede de distribuição mais pulverizada e aos estoques que as distribuidoras já têm em mãos do produto. Como a Petrobras também elevou o preço do diesel, um componente dos custos de produção das usinas, os ganhos dos produtores de etanol tendem a ser menores que a variação dos preços dos combustíveis. Ainda assim, essas alterações podem ter impacto positivo de 3% na receita das usinas, conforme cálculo da consultoria FG/A, a pedido do Valor.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *