IPCA acelera em outubro, mas tem a menor taxa para o mês desde 2000

Vendas do comércio caem pelo terceiro mês seguido, diz IBGE
10/11/2016
Produção da Opep atinge recorde em outubro e deve continuar elevada, diz AIE
10/11/2016
Mostrar tudo

Fonte: G1

O preço dos combustíveis subiu em outubro e pressionou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país. A taxa voltou a ganhar força e ficou em 0,26% em outubro, depois de chegar a 0,08%, em setembro.
Apesar da aceleração, o índice de outubro é o menor índice para o mês desde 2000, quando chegou a 0,14%. Os números foram divulgados nesta terça-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
Em outubro, na análise dos grupos de gastos, o que mais puxou o aumento geral de preços foi o de transportes. Em setembro, o grupo havia registrado queda de preços de 0,10% e, no mês seguinte, teve forte aumento de 0,75%.
INFLAÇÃO EM OUTUBRO
em %
0,140,750,750,820,26Ano de 2000Ano de 2005Ano de 2010Ano de 2015Ano de 201600,20,40,60,81
Fonte: IBGE
O preço do litro do etanol subiu 6,09% e acabou puxando o da gasolina, que ficou 1,22% mais cara, contrariando a redução no valor do combustível autorizado pela Petrobras. As passagens aéreas também passaram a custar mais, registrando alta acima de 10%.
Também pressionaram os alimentos e bebidas (de -0,29% para -0,05%), sob influência do leite longa vida (-10,68%), e os artigos de residência (de -0,23% para -0,13%). Os dois continuam mostrando deflação de preços, mas em ritmo menor.
Outros tipos de gastos também tiveram alta menor de preços: os relativos a despesas pessoais (de 0,10% para 0,01%); a educação (de 0,18% para 0,02%) e a comunicação (de 0,18% para 0,07%).
Por outro lado, avançaram os preços de vestuário (de 0,43% para 0,45%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,33% para 0,43%).
No ano, o IPCA acumula alta de 5,78%, abaixo dos 8,52% registrado no mesmo período de 2015. Em 12 meses, a taxa também perdeu força, ao atingir 7,87%, abaixo dos 8,48% relativos aos 12 meses imediatamente anteriores.
“O esperado esfriamento de preços em 2016 esbarrou nas elevadas variações dos preços dos alimentos ao longo do ano: resquício do choque cambial do ano passado, dos efeitos climáticos adversos e de problemas de safra. Contudo, a reversão recente sobre itens específicos, como feijões e leite, leva a crer em uma reversão mais célere do choque recente”, diz a consultoria Rosenberg Associados.
Regiões
O maior aumento de preços pelo IPCA ocorreu em Campo Grande (0,53%). Na outra ponta, a região metropiolitana de Vitória teve deflação de 0,16%.
INPC
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), divulgado com o IPCA, também avançou, de 0,08% para 0,17%. No ano, o índice acumula alta de 6,36%, abaixo dos 9,07% registrados no mesmo período do ano anterior. Em 12 meses, o índice está em 8,50%, abaixo dos 9,15% relativos aos 12 meses imediatamente anteriores.
Projeções
A estimativa mais recente dos economistas do mercado financeiro projeta o IPCA em 6,88% no final deste ano, permanecendo acima do teto de 6,5% do sistema de metas de inflação e bem distante do objetivo central fixado para 2016, que é de inflação de 4,5%. Para 2017, porém, a previsão do mercado financeiro para a inflação está em 4,94%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *