O poder da bala na agulha das distribuidoras

Etanol americano pode adiar (de novo) triunfo do biocombustível brasileiro
18/08/2019
Etanol: hidratado e anidro sobem 0,06% e 0,04%, na semana
19/08/2019
Mostrar tudo

Fonte: O Globo / Lauro Jardim

A determinação de Jair Bolsonaro em reduzir o poder das distribuidoras de combustíveis ainda não arranhou o caixa do setor.
A Plural, entidade que representa as maiores distribuidoras do país, terá orçamento de R$ 45 milhões em 2019, R$ 6 milhões a mais que no ano passado.
Os gastos da Plural foram parar nos escaninhos do TCU. A corte abriu um processo sigiloso para escrutinar a grana arrecadada pela associação.
A razão é simples. Boa parte do dinheiro da Plural sai BR Distribuidora, até outro dia, pendurada no guarda-chuva da União.
Desde 2005 a Plural e o sindicato ligado a ela arrecadaram mais de R$ 150 milhões com as afiliadas, entre elas a BR, a maior de todas.
(Atualização, às 12h12 do dia 18. A Plural enviou a seguinte nota : “Os recursos recebidos das suas associadas pela Plural são usados na grande maioria para alertar e ajudar as autoridades e a sociedade no aprimoraramento do mercado em busca da legalidade e do combate a práticas anticoncorrenciais no setor de combustíveis. No período apontado pela coluna, desde 2005, mais de R$ 90 bilhões foram sonegados no Brasil neste setor por distribuidores e refinadores de combustíveis que operam à margem da lei, muitos dos quais conhecidos da imprensa e das autoridades. As contribuições financeiras recebidas pela Plural de suas associadas estão em total conformidade com as regras definidas no Estatuto Social e Regimento Interno. As despesas e investimentos são ainda aprovadas pelo Conselho Consultivo, submetidas à avaliação do Conselho Fiscal, homologadas em Assembleia Geral e devidamente auditadas por auditores independentes”)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *