Brasil e Reino Unido investem R$ 19 milhões em pesquisa de biocombustíveis
04/11/2016
Etanol: volume embarcado em outubro cai 55% ante setembro, para 66 mi de litros
04/11/2016
Mostrar tudo

Fonte: Valor Online

A ASB Biodiesel, a maior refinaria de óleo usado de Hong Kong, transforma óleo de cozinha usado ou óleo de resíduos de gordura vegetal e animal em biodiesel que pode ser misturado com diesel comum e utilizado em máquinas convencionais, sem modificação. A empresa declara ter uma capacidade máxima de produção anual de 100 mil toneladas de combustível de transporte de baixo carbono, o suficiente para abastecer todos os motores diesel das estradas de Hong Kong com B10 (uma mistura de 10%) e evitar a emissão de 257 mil toneladas de gases-estufa. A meta, agora, é expandir a produção para a região do Delta do Rio das Pérolas, no Sul da China. Devido à sua vasta população e alta taxa de óleo de cozinha usado per capita, “a China tem muitos resíduos de óleo e tem um grande potencial para nós”, diz Roberto Vazquez, principal executivo da ASB. “Até o fim de 2017, utilizaremos 80% de nossa capacidade, o que é suficiente para que sejamos lucrativos… Começaremos a avaliar oportunidades na China no próximo ano”, diz o executivo. A empresa vai buscar um parceiro local, como uma petrolífera estatal. A ASB Biodiesel foi fundada em 2007 em Bahrain, e a usina, com base em Tseung Kwan O, começou a operar em 2014. Segundo Vazquez, ela coleta óleo usado de restaurantes em Hong Kong, Cingapura e em Guangdong. Hong Kong é uma boa fonte porque é uma cidade com alta densidade populacional que tem leis para tratamento de óleo usado. Qualquer cidade da China com população de pelo menos 20 milhões e forte controle sobre a obrigação de tratamento de óleo usado, pode ser considerada para os planos de expansão da ASB. O produto final da ASB Biodiesel é vendido principalmente na Europa e na China. Só uma pequena porção é vendida em Hong Kong, pois a tributação da cidade sobre óleo diesel tradicional foi suspensa em 2009, e os compradores pagam mais pelo biodiesel.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *