Operação mira venda de ativos da Petrobras na África ao BTG, diz MPF

Petroleiros rejeitam proposta da Petrobras e convocam assembleias sobre greve
23/08/2019
Pulverizar capital é opção para vender a Petrobras
23/08/2019
Mostrar tudo

Valor Online

Uma das linhas de investigação da operação desencadeada nesta sexta-feira aponta para possíveis ilícitos envolvendo a venda pela Petrobras ao BTG de ativos na África. A partir de análise de documentos apreendidos em fase anterior da operação, foram identificados indícios de que os ativos foram comercializados em valor “substancialmente inferior àquele que havia sido avaliado por instituições financeiras de renome no início do processo de venda”, afirmou o Ministério Público Federal (MPF), em nota.
Segundo os investigadores, no início do processo, o preço de tais ativos havia sido avaliado entre US$ 5,6 bilhões e US$ 8,4 bilhões. “Todavia, ao final do processo, 50% desses ativos foram vendidos por US$ 1,5 bilhão em 2013, valor esse em flagrante desproporção com aquele inicialmente avaliado.”
Para o MPF, essa venda envolveu “diversos indícios de irregularidades, dentre os quais se destacam: i) a possível restrição de concorrência, de forma a favorecer o BTG, ii) o acesso pelo BTG a informações sigilosas; iii) a aprovação da venda pela Diretoria Executiva em um dia e do Conselho de Administração no dia seguinte, sem que tenha havido tempo suficiente para discussão ampla de operação de valor tão elevado.”
Outra frente de apuração diz respeito a relato feito pelo ex-ministro Antonio Palocci de que André Esteves, em período próximo ao final da campanha de 2010, teria acertado com o então ministro da Fazenda Guido Mantega o repasse de R$ 15 milhões para garantir privilégios ao Banco BTG Pactual no projeto das sondas do pré-sal da Petrobras. Segundo informado por Palocci, parte desse valor teria sido entregue em espécie a seu assessor, Branislav Kontic, na sede do banco.
A Lava-Jato investiga ainda informações contidas em e-mails de Marcelo Odebrecht e prestadas por Palocci de que a ex-presidente da Petrobras, Graça Foster, teria conhecimento do esquema de corrupção existente à época na estatal, mas não teria adotado medidas efetivas para apura-lo ou impedir a continuidade do seu funcionamento. Graça Foster ocupou a presidência da Petrobras entre fevereiro de 2012 e fevereiro de 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *