Petrobrás espera retomar desinvestimentos em ‘velocidade máxima’, diz Parente

IEA alerta para possível crise de oferta de petróleo após 2020
07/03/2017
Nova safra de cana-de-açúcar derruba preço do etanol na usina
07/03/2017
Mostrar tudo

Fonte: Agência Estado

A Petrobrás espera que “provavelmente em duas semanas” tenha sinal verde do Tribunal de Contas da União (TCU) e, então, possa recomeçar o programa de desinvestimentos da companhia em “velocidade máxima”, afirmou nesta segunda-feira o presidente da estatal, Pedro Parente. Na quarta-feira, dia 8, o TCU poderá votar o processo que avalia a venda de ativos da Petrobrás, embora a pauta do tribunal ainda não tenha sido publicada. O tribunal suspendeu a venda de ativos da petroleira em dezembro após detectar irregularidades.
“Estamos discutindo com o TCU algumas mudanças no nosso programa de parcerias e desinvestimentos. Achamos que teremos boas notícias em breve. Provavelmente, em duas semanas, teremos esse assunto resolvido e então poderemos recomeçar o programa a velocidade máxima”, disse Parente a jornalistas durante evento promovido pela consultoria IHS em Houston, nos Estados Unidos, conforme áudio ao qual o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, teve acesso.
Questionado, o presidente da Petrobrás não informou quais serão os próximos ativos a serem vendidos no programa. “É algo que anunciaremos tão logo tenhamos essa nova forma (do programa de parceria e desinvestimentos) aprovada pelo TCU”, afirmou Parente.
O executivo citou apenas que a companhia tem “um amplo leque de ativos”. Parente citou a operação de transporte de gás, que já foi vendida ao fundo canadense Brookfield, campos de petróleo em águas rasas e a BR Distribuidora. “São vários ativos que vão adicionar, no fim, mais US$ 19 bilhões em parcerias e investimentos, para os próximos dois anos, incluindo este ano”, disse Parente.
O presidente da estatal também demonstrou confiança na reversão, na Justiça, de ações judiciais que contestam a venda de ativos. “Já conseguimos reverter algumas delas. Restam ainda duas ou três a reverter e vamos trabalhar nelas”, afirmou Parente.
Além disso, Parente voltou a afirmar que a empresa não é formadora de preços e reage apenas às cotações internacionais quando determina seus preços de combustíveis. Questionado por uma jornalista, o executivo disse que não pode anunciar aumentos ou baixas nos preços dos combustíveis.
“O mercado anuncia aumentos ou baixas. Não sou eu, não é a Petrobrás. Não somos formadores de preço. Só reagimos aos mercados internacionais. Isso é uma commodity e o mercado faz os preços para commodities. Como qualquer commodity, o que estamos fazendo é apenas reagir a novos níveis de preços tanto do Brent quanto dos combustíveis e do câmbio. É uma coisa muito importante de deixar claro para a sociedade brasileira: nós não formamos preços”, afirmou Parente.
O executivo também negou que atrasos na contratação de navios-plataformas (FPSOs) para o campo de Libra, no pré-sal, possam atrapalhar o cronograma de produção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *