Preço em queda de açúcar e etanol reduz influência no PIB, diz Unica

Petróleo cai a mínimas em 3 semanas, em reação a aumento na produção dos EUA
02/06/2017
Exportação de etanol tem queda mensal e acumulado do ano é 48% menor que em 2016
02/06/2017
Mostrar tudo

Fonte: Nova Cana

O peso da cana-de-açúcar no Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária no segundo trimestre será menor devido aos preços mais baixos do açúcar na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) e do etanol no mercado doméstico, disse o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Antonio de Padua Rodrigues.
“Em termos de volume, teremos (influência), mas houve uma redução brutal nos preços (de produtos) desde o início da safra”, disse ao Broadcast Agro, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, nos bastidores do seminário Perspectivas para o Agribusiness 2017 e 2018, promovido pela B3, em São Paulo.
A temporada de cana começou em abril e, por esse motivo, tem relevância para o PIB da agropecuária no segundo trimestre. Nos primeiros três meses do ano, o setor agropecuário teve desempenho positivo de 13,4% ante o quarto trimestre de 2016, puxado basicamente pela produção de grãos, informou mais cedo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Sobre o grande volume de chuvas na segunda quinzena de maio, que atrasaram o trabalho no campo, Padua disse que a umidade agora é benéfica para a planta que será cortada mais para frente. “Haverá bom desenvolvimento para o último terço da safra”, explicou, ressaltando que o ciclo tende a se alongar em razão dos dias parados. Além disso, “há muita cana deitada, o que reduz a qualidade”.
O próximo relatório de acompanhamento de safra da Unica deverá ser divulgado nos próximos dias. Até a primeira quinzena de maio – antes das chuvas, portanto – as usinas e destilarias do Centro-Sul haviam processado 80,28 milhões de toneladas de cana (+26,25%).

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *