Segunda maior refinaria da Petrobras pode parar em uma semana

Petrobras diz que não há decisão de parar produção em refinaria na BA
16/02/2018
ANP: gasolina recua em 17 Estados; queda no País foi de 0,21 % na semana passada
16/02/2018
Mostrar tudo

Fonte: Isto É Dinheiro Online

O Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA) informou em seu site que a refinaria Landulpho Alves – Mataripe (Rlam), segunda maior do Brasil, deve iniciar sua parada de produção na próxima semana. O corte de carga da U-32, principal unidade de destilação da refinaria, está previsto para terça, dia 20.
Localizada no Recôncavo Baiano, a Rlam tem produção diária de 323 mil barris de derivados e atende principalmente os estados da Bahia e Sergipe, além de outros estados da região Norte e Nordeste. Alguns produtos são exportados para Estados Unidos, Argentina e países da Europa.
Segundo o diretor do Sindipetro-BA Ivo Saraiva, porém, a unidade estaria trabalhando com apenas 51% da sua capacidade e sem lugar para estocar derivados, por isso a Petrobras decidiu parar a produção.
“O mínimo para a refinaria operar em segurança são 145 mil barris diários e está quase chegando lá, porque não tem mais onde estocar diesel, por isso vão parar, perderam espaço para a importação”, informou Saraiva, que trabalha na Rlam. Ele explica que desde que a Petrobras começou a aplicar paridade de preços dos seus derivados em relação ao mercado internacional vem perdendo terreno para importadores de combustíveis, principalmente diesel e gasolina.
De acordo com Saraiva, em 2016 o mercado baiano de derivados era atendido em apenas 4% do total consumido por importação. Em dezembro de 2017, esse volume seria o correspondente a 22% do mercado. O sindicato convocou assembleia para o dia 20, primeiro dia da parada de produção, para decidir o que poderão fazer em relação à refinaria e exigir mais esclarecimentos da empresa. Ele alerta que geralmente as paradas programadas ocorrem de 6 em 6 anos. No caso da Rlam, a última foi feita há apenas dois anos, disse o diretor.
“Não é uma parada programada normal, eles vêm reduzindo a carga processada de dois anos para cá, nunca vi uma empresa abrir mercado para os próprios concorrentes”, criticou Saraiva, referindo-se à paridade de preços com o mercado internacional que vem aumentando o volume importado.
Procurada, a Petrobras não se pronunciou até o fechamento desta reportagem.
Fonte: Estadão Conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *