Vendas de ativos da Petrobras terão editais públicos

ANP realiza ações pelo Dia do Consumidor
15/03/2017
Etanol subiu em 6 Estados e DF, caiu em 19 e não se alterou no AP
15/03/2017
Mostrar tudo

Fonte: Valor Online

Questionada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), a Petrobras trabalha para ajustar os procedimentos para dar continuidade ao seu programa de venda de ativos. A empresa pretende publicar, a partir de agora, editais públicos para os novos processos de venda de ativos, mas sem eliminar a modalidade carta-convite usada até então. Está previsto para hoje, em Brasília, o julgamento do TCU sobre o programa de venda de ativos da estatal. Em dezembro, a área técnica do órgão apontou uma série de falhas nas negociações em andamento e decidiu pela suspensão cautelar dessas vendas. A petroleira é ré também na Justiça Federal de Sergipe numa série de processos que contestam o princípio de publicidade das vendas de ativos.
A Petrobras aguarda o posicionamento do TCU com preocupação. A companhia teme que tenha de começar do zero algumas dessas negociações já em curso, embora a área técnica do tribunal tenha proposto liberar a continuidade da venda de uma lista de dez ativos, sem que o processo tenha que ser reiniciado. A expectativa é que a decisão saia hoje. A estatal informou ao Valor que a intenção da companhia é manter a modalidade carta-convite, mas que, para atender as exigências do TCU sobre transparência do programa de venda de ativos, prevê lançar também editais públicos para que eventuais interessados não convidados também possam manifestar desejo de participar do processo. A petroleira defende que o modelo carta-convite é o método mais eficiente de relacionamento com potenciais interessados nos ativos, uma vez que é direcionado para empresas previamente avaliadas e com capacidades financeiras já mapeadas pela companhia. Ontem, a Petrobras apresentou também os seus dados operacionais de fevereiro. A empresa produziu, no Brasil, 2,20 milhões de barris diários de petróleo, uma queda de 1% ante janeiro. Este foi o segundo mês consecutivo de queda da produção da companhia. A petroleira atribuiu a queda, principalmente, à parada programada da plataforma Cidade de Paraty, localizada no campo de Lula Nordeste, no pré-sal da Bacia de Santos, e ao fim da fase de testes do Sistema de Produção Antecipada (SPA) de Búzios – cujo objetivo foi coletar informações sobre o comportamento dos reservatórios do campo, na área da cessão onerosa. A produção de gás também caiu 1%, ante janeiro, para uma média de 80,2 milhões de metros cúbicos diários (m3 /dia), excluído o volume liquefeito. Ao todo, a Petrobras produziu, em fevereiro, 2,82 milhões de barris de óleo equivalente por dia (BOE/dia), sendo 2,703 milhões BOE/dia de óleo e gás no Brasil. A produção de óleo e gás operada pela Petrobras (parcela própria e dos parceiros), na camada pré-sal, foi de 1,53 milhão de BOE/dia. O volume representa um aumento de 41% em relação à fevereiro de 2016 e uma queda de 3% frente a janeiro. No exterior, a Petrobras produziu 113 mil BOE/dia de óleo e gás, sendo 63,5 mil barris/dia de petróleo – uma redução de 8% ante janeiro. Já o volume de gás produzido fora do país pela petroleira caiu 3%, para 8,4 milhões de m3 /dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *