Vendas no varejo recuam 3,2% em fevereiro frente ao ano passado

Quarta-feira, dia de plantão trabalhista no Sindicombustíveis Bahia
11/04/2017
Europa faz exigências ao Mercosul sobre petróleo
12/04/2017
Mostrar tudo

Fonte: O GLOBO

O comércio registrou nova queda este ano, recuando 3,2% em fevereiro frente ao mesmo mês do ano passado. É a 23ª taxa negativa seguida na comparação interanual.Com relação a janeiro, a queda foi de 0,2%. Nos 12 meses encerrados em fevereiro, a contração do setor foi de 5,4. Desde maio de 2015, esse indicador apresenta taxas negativas. Este ano, as vendas varejistas já encolheram 2,2%. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

A receita nominal das vendas teve altas: 0,4% frente a fevereiro de 2016; 2,1% no acumulado de 2017 e 4,2% nos últimos 12 meses.

Segundo o IBGE, o comércio varejista ampliado — que inclui as atividades de venda de veículos, motos, partes e peças e de material de construção — registrou resultado positivo em relação a janeiro, com ajuste sazonal: 1,4% para o volume de vendas (quarto índice positivo) e 1% para receita. Em comparação com fevereiro de 2016, houve queda de 4,2% nas vendas e de 1,7% no faturamento. Em 12 meses, o recuo das vendas é de 7,5% e, nos dois primeiros meses de 2017, de 2,1%. Já a receita é queda de 0,3% e alta de 0,8%, respectivamente.

O setor já havia iniciado o ano em queda. Em janeiro, as vendas caíram 0,7% em janeiro na comparação em dezembro. Frente a janeiro de 2017, a queda tinha sido de 7%.
Frente a fevereiro do ano passado, sete dos oito grupos analisados tiveram resultado negativo. As principais quedas foram das atividades equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-11,9%); combustíveis e lubrificantes (-8,5%); artigos de uso pessoal e doméstico (-7,7%) — lojas de departamentos, joalheria, artigos esportivos e brinquedos — e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-5,1%). Apenas o setor de tecidos, vestuário e calçados teve alta taxa de 3,6%.

Veículos, motos, partes e peças e material de construção — analisados no varejo ampliado — caíram 13,6% e queda de 2% nessa comparação respectivamente.
Na passagem da janeiro para fevereiro, cinco das oito atividas tiveram resultado positivo no volume de vendas: móveis e eletrodomésticos (3,8%); tecidos, vestuário e calçados (1,5%); livros, jornais, revistas e papelarias (1,4%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,0%) e combustíveis e lubrificantes (0,6%).

Os impactos negativos na taxa ficam por conta das atividades hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,5%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-1,5%); e artigos de uso pessoal e doméstico (-1,8%).
Veículos, motos, partes e peças e material de construção — analisados no varejo ampliado — tiveram ligeira alta de 0,1% e queda de 1,3% em fevereiro, respectivamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *