Petróleo fecha em alta com perspectiva de melhora na demanda americana

Produção de veículos no Brasil sobe 347,6% em maio, aponta Anfavea
09/06/2021
Índia pode favorecer mercado canavieiro do Brasil
09/06/2021
Mostrar tudo

Valor Economico

Os contratos futuros do petróleo fecharam a terça-feira em alta, impulsionados pelas expectativas de melhora na demanda de energia dos Estados Unidos, uma vez que uma pesquisa recente mostrou que os principais produtores de petróleo seguem com seus planos de aumentar gradualmente a produção.

Os contratos futuros do Brent para agosto terminaram o dia com ganhos de 1,02%, a US$ 72,22 por barril na ICE, em Londres. Já os preços do West Texas Intermediate (WTI) para julho encerraram o pregão com ganhos de 1,18%, a US$ 70,05 por barril na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

Os investidores também avaliam as previsões que apontam para a terceira queda semanal consecutiva dos dados de estoques domésticos de petróleo do Departamento de Energia (DoE), que serão conhecidos na quarta-feira.

O comércio hoje foi “um pouco instável e moderadamente volátil”, mas “não houve nenhum catalisador ou manchete significativa que mereça destaque”, afirmou Tyler Richey, co-editor da Sevens Report Research.

Os preços do petróleo de referência dos EUA atingiram US$ 70 o barril na segundafeira, e isso “pareceu levar a alguma realização de lucros, mas a tendência técnica de médio prazo continua altista, sublinhada pela último rali, que levou os preços para máximas de vários anos”, disse, ao MarketWatch.

Fundamentalmente, o mercado parece estar “confiante” na capacidade da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, em conjunto conhecidos como Opep , “de gerir o aumento gradual da produção coletiva com que concordaram até ao fim de julho”, disse Richey.

Enquanto isso, as expectativas da demanda “permanecem otimistas, dados os esforços de reabertura global e a visão de que haverá algum grau de retorno à normalidade econômica nos próximos meses”, afirmou.

A produção conjunta de petróleo bruto da Opep subiu 430 mil barris por dia em maio, de acordo com uma pesquisa divulgada pela S&P Global Platts hoje. O aumento foi liderado pela Arábia Saudita, que respondeu por cerca de 84% do aumento mensal, mostrou a pesquisa.

Os dados da pesquisa mostraram que o cumprimento da Opep com seu acordo de produção atual tem sido “praticamente estável”, em 111,45% em maio, em comparação com 111,16% em abril.

O relatório da S&P Global Platts sobre a produção da Opep pareceu reforçar que a conformidade com seu acordo é “historicamente alta e isso continua a reforçar a confiança dos investidores na Opep “, disse Richey.

Enquanto isso, “os observadores estão começando a aceitar que levará algum tempo antes que as exportações de petróleo iraniano voltem ao mercado”, disse Eugen Weinberg, analista de commodities do Commerzbank, destacando comentários do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que disse não estar claro se o Irã estava disposto a cumprir as condições do acordo nuclear de 2015.

Os dados semanais sobre a oferta de petróleo nos EUA serão divulgados pelo Departamento de Energia na amanhã. Em média, os analistas consultados pelo “Wall Street Journal” preveem um declínio de 2,3 milhões de barris nos estoques de petróleo para a semana encerrada em 4 de junho. A pesquisa também mostra expectativa de aumentos de oferta de 300 mil barris de gasolina e 1,3 milhão nos barris de destilados.

Em um relatório mensal divulgado hoje, a Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês) elevou suas previsões para o preço do petróleo para este ano e prevê que os preços do petróleo West Texas Intermediate (WTI) em uma média de US$ 61,85 o barril neste ano, um aumento de 5% em relação à previsão de maio. O petróleo Brent deve atingir uma média de US$ 65,19 em 2021, um aumento de 4,7% em relação às previsões anteriores.

O EIA, no entanto, reduziu suas previsões para os preços do petróleo para 2022 em 0,4%, para US$ 56,74 para o WTI e para US$ 60,49 para o Brent. A produção de petróleo dos EUA deve atingir uma média de 11,08 milhões de barris por dia em 2021, um aumento de 0,5% em relação à previsão de maio.

O consumo doméstico de gasolina deve ter uma média de 9,1 milhões de barris por dia no verão do Hemisfério Norte – 1,3 milhão de barris por dia a mais do que no verão passado – mas uma queda de 400 mil barris por dia em relação ao verão de 2019, segundo o relatório da EIA.

O órgão também espera que os preços de varejo da gasolina regular nos EUA atinjam a média de US$ 2,92 o galão no período, ante US$ 2,07 no verão americano de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *