Produção de veículos no Brasil sobe 347,6% em maio, aponta Anfavea

Falta de peças vai travar crescimento do setor automotivo no 2º semestre, diz Anfavea
09/06/2021
Petróleo fecha em alta com perspectiva de melhora na demanda americana
09/06/2021
Mostrar tudo

Valor Econômico

A produção de veículos no país cresceu 347,6% em maio ante igual período de 2020. As montadoras instaladas aqui fabricaram 192,8 mil veículos em maio ante 3,9 mil unidades montadas no mesmo período de 2020, quando as empresas paralisaram as operações por cauda da pandemia de covid-19.
No acumulado de 2021, a produção chegou a 981,5 mil unidades, uma alta de 55,6%. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).
Em maio, de acordo com a Anfavea, as vendas de veículos somaram 188,7 mil, um crescimento de 203,4 % no comparativo com o mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, foram licenciados 891,7 milhões de veículos, evolução de 31,9%.
As exportações aumentaram 855,4% em maio ante mesmo mês de 2020 chegando a 37 mil veículos . A receita com as exportações em maio somou US$ 693,35 milhões, alta de 298,9%, ante mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, segundo a Anfavea, os embarques somaram 166,6 mil veículos, alta de 66,5% ante o mesmo período de 2020.O faturamento com as vendas externas chegou a US$ 3,104 bilhões até maio, alta de 78,5% ante mesmo mês de 2020.
Com relação aos empregos no setor, segundo a Anfavea, as montadoras fecharam maio com 104,08 mil funcionários, o que representou uma queda de 2,2% em 12 meses.
Fornecimento de semicondutores
A limitação no fornecimento de semicondutores para a indústria automobilística deve se estender por mais este ano. O presidente da Anfavea, Luiz Carlos de Moraes, afirmou que a expectativa é que somente em 2022 se regularize as entregas dos componentes eletrônicos para a indústria de transformação no país.
Segundo ele, ao longo de 2021 ainda haverá paradas e microparadas nas montadoras para regularizar a produção de veículos. “É o novo gargalo na indústria de transformação no mundo. Tenho falado com fornecedores, montadoras lá fora, e é difícil prever quando haverá uma normalização. Mas, temos a esperança que no primeiro semestre esteja resolvido”, disse Moraes. Para ler esta notícia, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *