Etanol hidratado ganha competitividade mesmo com gasolina mais em conta nos postos

Brasil terá maior elevação da oferta de petróleo entre países fora da Opep
14/02/2017
O etanol será definitivamente inserido na matriz energética brasileira?
14/02/2017
Mostrar tudo

Fonte: NovaCana.com

Repetindo o que aconteceu na semana anterior, os preços do etanol hidratado nos postos recuperaram um pouco da competitividade em relação aos preços da gasolina na semana de 5 de janeiro a 11 de fevereiro.
O avanço aconteceu mesmo com a forte queda dos preços da gasolina, que chegou a seu menor preço em dois meses. O expressivo recuo na cotação do etanol em estados produtores como São Paulo e Goiás influenciou na relação de preços entre etanol e gasolina na última semana.

Ainda assim, houve alta em boa parte do país. O valor de comercialização do biocombustível de cana-de-açúcar subiu nos postos de 12 estados e no Distrito Federal, recuaram em onze estados na última semana e permaneceram estáveis em três.

Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e mostram que o preço da gasolina subiu nos postos de combustíveis de apenas setes estados, registrando queda em 17 estados no DF e estabilidade no Espírito Santo e no Amapá.
Nas médias nacionais, o índice que estabelece a relação dos preços entre o etanol e o combustível fóssil recuou e o etanol correspondeu a 77,1% do valor médio da gasolina na última semana (frente a 77,5% na semana anterior). O recuo caracteriza ligeiro avanço na competitividade do renovável de cana.

Estados
Entre os estados que costumam apresentar relação vantajosa para consumo de etanol, São Paulo, Goiás e Mato Grosso Sul novamente apresentaram as quedas mais expressivas nos preços do renovável de cana nos postos.

São Paulo
A última semana representou um novo recuo, dessa vez de 1,01% nos preços cobrados pelo etanol hidratado nos postos paulistas. Essa é a terceira semana consecutiva de queda nos preços e, com isso, o etanol já acumula uma desvalorização de 1,79% nas bombas do estado.
Na última semana, o biocombustível foi comercializado nos postos a R$ 2,753. Já a gasolina registrou queda de 0,63% e foi vendida a R$ 3,611.
No estado, com a variação das cotações, o preço do etanol hidratado nos postos correspondeu a 76,2% do valor de comercialização da gasolina.

Goiás
Em Goiás, na última semana, o preço do etanol nos postos caiu 5,54%. Essa é segunda queda consecutiva nos preços no estado, já que o etanol hidratado havia registrado uma desvalorização de 2,03% nas bombas de combustíveis durante o período anterior.
Assim, o etanol hidratado foi comercializado a R$ 2,830 na última semana. Já a gasolina, que também sofreu queda no estado (-2,49%), foi vendida em média a R$ 3,799.
A variação resultou no preço do etanol correspondendo a 74,5% do valor de comercialização da gasolina, ante 76,9% na semana anterior.

Mato Grosso do Sul
O biocombustível foi vendido a R$ 3,129, representando um recuo de 1,63% sobre os valores de comercialização da semana anterior no estado. Nos postos sul-mato-grossenses também é a segunda semana de desvalorização dos preços do biocombustível de cana, acumulando queda de 2,78%.
Com o decréscimo dos preços, o valor de venda etanol no estado passou a corresponder a 85,4% do preço da gasolina, frente a 86,2% na semana anterior.

Os preços do etanol e da gasolina por região, estado ou cidade desde 2001 estão disponíveis na planilha interativa (exclusivo para assinantes).

Usinas
A desvalorização na cotação do etanol hidratado nas usinas continua. Em São Paulo, já são nove semanas de queda nos preços do etanol hidratado nas unidades de produção. Na semana passada, o biocombustível foi vendido a um valor 1,34% mais barato. No período de nove semanas, a desvalorização é de 9,76% nas usinas do estado.
O preço também tem registrado queda nas usinas de Goiás. Na última semana, a queda nos preços foi de 3,04% nos valores para o etanol hidratado. O estado acumula 7,34% de queda no período acumulado de nove semanas.
Já o Mato Grosso apresenta cinco semanas consecutivas de queda, chegando a 5,17% de recuo nos preços. Na última semana, a desvalorização foi de 1,99%.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *