Gás de esgoto será transformado em combustível para veículos em Franca

Regulação do mercado de gás é prioridade para atrair iniciativa privada
24/01/2017
Decisão indica ao mundo foco em combustível fóssil
25/01/2017
Mostrar tudo

Fonte: Franca Site

Uma parceria entre a Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) e o instituto Fraunhofer, da Alemanha, vai permitir que Franca (SP) seja a primeira cidade do país a desenvolver uma tecnologia que transforma o gás gerado no tratamento de esgoto em combustível.
Para que os trabalhos sejam iniciados, o equipamento produzido no exterior saiu nesta segunda-feira (23) do porto de Santos (SP) com destino a cidade. Um planejamento logístico foi elaborado para o transporte em um contêiner por meio de um caminhão.
A instalação será feita na Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) de Franca onde serão colocados os filtros, reservatórios e demais peças que compõem o sistema. No processo, o biogás gerado no tratamento do esgoto passa pela remoção das impurezas, umidade e aumento da concentração de metano.
O resultado é um combustível, o biometano, que será usado no lugar na gasolina, do álcool e do GNV (gás natural veicular). Como a ETE de Franca possui vazão de tratamento de esgoto de 450 litros por segundo e produz em torno de 2.600 Nm³ de biogás, estima-se que possam ser produzidos 1.700 Nm³ de biometano por dia, o suficiente para substituir 1.700 litros de gasolina comum a cada dia.
“Esse projeto traz uma série de benefícios, como a redução das emissões de gases de efeito estufa, inovações no saneamento, o domínio das tecnologias implantadas e uma significativa redução de gastos com combustível. Além disso, abre várias possibilidades para estudo de para outros fins: inserção em redes de companhias de gás, produção de energia elétrica e fornecimento do biogás para indústrias próximas”, afirma Cristina Knörich Zuffo, superintendente de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação da Sabesp.
Em entrevista ao repórter Samuel Cintra pela Rádio Imperador AM 920, o gerente distrital, Rui Engracia Garcia Caluz, explicou que “o maior benefício é para o meio ambiente, mas no futuro as sobras desse combustível pode servir em novos convênios com empresas de ônibus e até frota da prefeitura” explicou.
Esse combustível alternativo será testado, com acompanhamento dos órgãos reguladores competentes, nos 49 veículos da companhia em Franca, que serão adaptados. Ele tem ainda outra vantagem: é renovável, já que sua base é o esgoto produzido pelos moradores, comércio e indústria de Franca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *