Linx mira postos de combustível sem bandeira para crescer no segmento

Petrobras paralisa maior unidade de diesel para manutenção na Replan por 36 dias
21/08/2019
Senado resiste à nova CPMF e discute imposto federal sobre petróleo e energia
21/08/2019
Mostrar tudo

Fonte: DCI

De olho no imenso mercado de postos de combustível bandeira branca fora dos grandes centros urbanos, a empresa de softwares Linx desenvolveu um sistema de processamento de dados mais econômico e adequado ao volume de vendas do negócio.

"Atualmente, com as oscilações diárias nos preços dos combustíveis, notamos um movimento grande de estabelecimentos bandeira branca. Quando o assunto é preço, negócios desse nicho são muito sensíveis e, consequentemente, pensamos em um produto para esses clientes”, afirmou o diretor de postos da Linx, Leonardo Orsi, lembrando que o marketshare da empresa nesse segmento gira em torno de 18%. No âmbito geral, a participação de mercado da Linx é de 38%, segundo Orsi.

Para o executivo, essa fatia de mercado não tem sido assistida nos últimos anos com soluções que sejam compatíveis ao volume de informações que passam pelo negócio, tanto na venda de combustíveis como também na loja de conveniência. "Normalmente, os postos bandeira branca têm uma complexidade menor do que os estabelecimentos embandeirados. Quando olhamos para um posto BR, existe um leque muito grande de produtos e sortimentos variado dentro da loja de conveniência. Isso requer um sistema com muitas funcionalidades e acaba tendo um preço superior. O que oferecemos é um sistema contábil simplificado e compatível com o volume de informações”, explicou o executivo.

Outro aspecto destacado por ele diz respeito ao nível de eficiência no registro das vendas realizadas diariamente. Para Orsi, um atendimento mais automatizado e ágil é também importante para melhorar a experiência e fidelização dos consumidores. "Esperamos um crescimento bem agressivo nesse segmento de postos, considerando que existe um mercado de 30 mil estabelecimentos dessa natureza. Até o final de 2020, devemos ter dois mil clientes”, argumentou ele, lembrando que devem ser feitas 100 instalações do sistema nos próximos três meses.

O executivo ressaltou a localização desses negócios, muitas vezes instalados em regiões menos desenvolvidas economicamente. "A questão da capilaridade no território nacional é também muito importante. A maioria desses postos tem uma gama menor de produto dentro da loja de conveniência, com as vendas mais concentradas em categorias como cervejas, carvão e tabaco”, complementou.

Para o especialista no segmento de postos, e fundador da empresa de pesquisa de mercado CVA Solutions, Sandro Cimatti argumenta que o desenvolvimento de um software para esse segmento de mercado pode ser uma boa estratégia tendo em vista que esses postos estão sempre buscando otimizar seus custos.

"Uma solução adaptada às necessidades desses postos é importante tendo em vista que frequentemente os negócios sofrem alteração de seus fornecedores em função da oscilação do preço das mercadorias fornecidas pelos distribuidores”, comentou.

Porém, Cimatti destaca que a empreitada da Linx em busca dessa fatia de mercado pode enfrentar alguns entraves, que vão desde uma conscientização sobre a relevância no aperfeiçoamento do sistema de gestão até fatores envolvendo a conexão de internet do local. "Em locais mais longínquos, é preciso ver se existe sinal de conexão compatível com o sistema”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *