PETROBRÁS APROVA ABERTURA DE CAPITAL DA BR DISTRIBUIDORA

SONEGAÇÃO E INADIMPLÊNCIA DE ICMS NO SETOR DE COMBUSTÍVEIS ATINGE R$ 4,8 BI/ANO
12/07/2017
PETRÓLEO AMPLIA GANHOS COM DADO FAVORÁVEL DE ESTOQUES DOS EUA
12/07/2017
Mostrar tudo

FONTE: O ESTADO DE S. PAULO
O conselho de administração da Petrobrás aprovou na noite desta terça-feira, 11, a abertura de capital da sua subsidiária BR Distribuidora por meio de uma oferta pública secundária de ações – quando são ofertadas ações já existentes. A decisão é uma alternativa ao projeto de vender o controle da empresa a um sócio e está em estudo na companhia há pelo menos dois meses, conforme antecipado em maio pelo ‘Estadão/Broadcast’.
A Petrobrás informou que, no processo de abertura de seu capital, a subsidiária de distribuição de combustíveis pretende aderir ao segmento especial do mercado de ações da B3 (antiga BM&FBovespa), denominado Novo Mercado.
Segundo a estatal, todos os atos necessários para realização da oferta estarão sujeitos à aprovação dos órgãos internos da Petrobrás e da BR Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO
“Todos os atos necessários para realização da oferta estarão sujeitos à aprovação dos órgãos internos da Petrobrás e da BR, bem como à análise e à aprovação dos respectivos entes reguladores, nos termos da legislação aplicável”, disse a Petrobrás em nota à imprensa.
O presidente da estatal, Pedro Parente, afirmou, em junho, que a empresa estava aprofundando a opção de abertura de capital da BR em meio a condições favoráveis. “Observamos histórico recente de IPOs (sigla em inglês para oferta inicial de ações) e decidimos realizar estudos”, afirmou à época.
Gestão compartilhada. A pretensão anterior da petroleira era obter uma gestão compartilhada da empresa de distribuição de combustíveis, no qual seria majoritária no capital total, mas teria fatia de 49% no capital votante.
A venda já estava sendo negociado com potenciais compradores, mas as conversas foram interrompidas após o Tribunal de Contas da União (TCU) exigir que a Petrobrás revisasse seu programa de venda de ativos e de formação de parcerias.
Um dos pontos que pesaram a favor da abertura de capital foi que com o lançamento de ações em bolsa, a estatal manterá o poder de decidir os rumos da BR, ao contrário do que aconteceria com a alienação do controle.
A declaração de Parente foi recebida com otimismo por especialistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast no mês passado. Para analistas da corretora Coinvalores, o IPO tende a gerar capital e ajudar no processo de desalavancagem (indicador que mede a relação entre a dívida e o patrimônio da companhia) da Petrobrás, além de trazer perspectiva de melhorar gestão da BR.
Entenda como uma empresa entra na Bolsa
Desvantagem. Analistas do UBS trouxeram uma visão diferente, tendo indicado em relatório que a melhor saída seria a Petrobrás contar com um parceiro privado no controle da BR. “A desvantagem (do novo modelo de negócios da BR) seria não ter mais um parceiro privado no controle, e sim acionistas minoritários dispersos, o que pode implicar potencial futura interferência do governo”, diz o documento também divulgado no mês passado após a declaração de Parente.
No anúncio de ontem, a Petrobrás informou ainda que o comunicado sobre a abertura de capital não deve ser considerada como anúncio de oferta. “A realização dependerá de condições favoráveis dos mercados de capitais nacional e internacional”, diz a nota.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *