Petróleo cai com expectativas menores sobre corte de produção da Opep

Petrobras estuda mais ajustes de preços dos combustíveis
10/11/2016
Produção da Opep sobe para 33,64 milhões de barris por dia em outubro
11/11/2016
Mostrar tudo

Fonte: Estadão

Os contratos futuros de petróleo ampliam perdas nesta manhã, em meio a expectativas decrescentes sobre o corte de produção proposto pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e um persistente excesso de oferta.
Às 9h16 (De Brasília), o contrato do Brent para janeiro recuava 1,03%, a US$ 45,36 por barril, na Intercontinental Exchange (ICE). O WTI para dezembro cedia 1,43%, a US$ 44,03 por barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex).
Operadores aguardam a divulgação do relatório de mensal sobre o mercado de petróleo da Opep, previsto para esta manhã. Ontem, a Agência Internacional de Energia (AIE) divulgou documento estimando que os países membros do cartel tenham produzido 33,83 milhões de barris por dia em outubro, número recorde.
“Ainda estamos em uma situação onde há muito petróleo no mercado e preocupações sobre o empenho da Opep em cortar sua produção”, disse Bjarne Schieldrop, analista chefe de commodities da SEB Markets.
O cartel se reúne em 30 de novembro para finalizar um acordo que poderia reduzir a produção dos atuais 33 milhões de barris por dia para 32,5 milhões, segundo um plano divulgado previamente por seus representantes. No entanto, os preços têm recuado nas últimas semanas em meio a um maior ceticismo sobre sua aprovação e efetividade. No contexto atual, a capacidade de um acordo diminuir a oferta também é questionada em meio a um aumento da produção em outros países, entre eles o Brasil, Canadá, Casaquistão e Rússia.
Paralelamente, a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos trouxe incertezas ao mercado de petróleo. O republicano já defendeu afrouxar as restrições sobre a produção no país, o que poderia elevar a produção local e pressionar ainda mais os preços.
“Trump poderia… forçar os EUA a se tornarem mais autossuficientes através da produção de xisto, então a perspectiva para os preços é negativa caso o país eleve a produção”, disse Stuart Ive, da OM Financial. “Isto também poderia colocar em dúvida o empenho da Opep em estabelecer limites de produção”, acrescentou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *