Petróleo fecha em alta pela 3ª sessão seguida com interrupção de oferta

Meirelles: se reforma não sair em dois anos, haverá aumento de impostos
27/02/2018
Ameaça de embargo dos EUA pode destruir setor petrolífero da Venezuela
27/02/2018
Mostrar tudo

Fonte: Portal UDOP

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda pela terceira sessão seguida, nesta segunda-feira, 26, em meio a sinais de interrupção da oferta na Líbia.

Na Nymex, o petróleo WTI para abril fechou em alta de US$ 0,36 (+0,57%), a US$ 63,91 por barril. Já na ICE, em Londres, o Brent para maio subiu US$ 0,76 (1,10%) e fechou a US$ 64,81 por barril.

Mais cedo o petróleo operou volátil, perto da estabilidade, sustentando os ganhos do fim da semana passada, alcançados após uma redução inesperada no estoque de petróleo bruto dos Estados Unidos e a interrupção da produção da commodity no campo de el-Feel, na Líbia. Quando está operante, esta localidade produz 60 mil barris por dia.

A recente interrupção na África deu apoio aos preços ao passo em que os investidores aguardam por novos dados a serem divulgados pelo governo americano sobre a situação dos estoques e da produção no país.

Os preços de petróleo avançaram mais de 7% nas últimas duas semanas, após preocupações com a crescente produção de xisto nos EUA ter desencadeado no início de fevereiro uma queda de mais de 12% nas cotações.

Na última quinta-feira, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano informou que o volume total de petróleo bruto em estoque nos EUA caiu em 1,6 milhão de barris na semana terminada em 16 de fevereiro. “Pela primeira vez em quase quatro anos, os estoques totais de petróleo comercial dos EUA ficaram abaixo da média dos cinco anos anteriores”, segundo Stephen Brennock, analista na corretora PVM Oil Associates Ltd.

Além disso, autoridades de petróleo de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) garantiram que o cartel deve continuar com os esforços para reduzir a produção a fim de equilibrar os preços.

Texto extraído da revista Isto É Dinheiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *