Proálcool: uma das maiores realizações do Brasil baseadas em ciência e tecnologia

Nissan testa no Paraná carro elétrico movido a hidrogênio e etanol
05/12/2016
A Opep perdeu poder de fogo
05/12/2016
Mostrar tudo

Fonte: UDOP
O Programa Nacional do Álcool (Proálcool), criado por decreto governamental no Brasil em novembro de 1975 e que contribuiu para impulsionar a produção de bioenergia no país nas últimas quatro décadas, representa uma das maiores realizações genuinamente brasileiras baseadas em ciência e tecnologia.

Esse marco só foi possível de ser alcançado, entre outras razões, por uma profunda sinergia entre universidades e instituições de pesquisa, empresas e o governo no âmbito do programa.

A avaliação foi feita por pesquisadores participantes do encontro “Proálcool, universidades e empresas: 40 anos de ciência e tecnologia para o etanol brasileiro, realizado no dia 30 de novembro, na FAPESP.

O objetivo do evento foi mostrar a história do Proálcool, relatando a evolução da cana e do açúcar no Brasil, até o uso do etanol como combustível, no século XX, além de avaliar o momento atual do etanol combustível e as oportunidades que ainda são reservadas à bioenergia de cana-de-açúcar.

Na ocasião foi lançado o livro Proálcool 40 anos, organizado por Luís Augusto Barbosa Cortez, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN).

São autores da publicação Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, além de Gláucia Mendes Souza, professora do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP); Heitor Cantarella, pesquisador do Instituto Agronômico (IAC); Marie-Anne van Sluys, professora do Instituto de Biociências da USP; e Rubens Maciel Filho, professor da Unicamp – todos membros da coordenação do BIOEN.

“No Brasil há uma tendência de não reconhecer as grandes realizações tecnológicas e científicas feitas por brasileiros. Mas, talvez, a maior realização baseada em ciência e tecnologia do país foi fazer com que uma frota de automóveis de uma economia industrializada como a nossa seja movida por etanol”, disse Brito Cruz durante palestra no evento.

Fruto da perseverança

Na avaliação dos participantes do evento e dos autores do livro, as razões para o sucesso do Proálcool devem-se não só à escolha de uma cultura energética eficiente, como a cana, além das condições climáticas e de solo existentes no Centro-Sul brasileiro, mas, principalmente, à perseverança de empresários, governo e, em grande parte, de pesquisadores que acreditaram na viabilidade tecnológica do etanol produzido a partir da cana.

“Quando o Proálcool foi lançado, surgiram muitas críticas e havia um grande ceticismo no mundo em relação à opção do Brasil em produzir um combustível alternativo ao petróleo”, disse Cortez.

“O governo, juntamente com os empresários e os pesquisadores, não deu muita bola para o que o mundo pensava e decidiu persistir nessa ideia. E dificilmente o Brasil teria alcançado a autossuficiência em petróleo sem a contribuição do Proálcool”, afirmou.

A principal motivação da criação do Proálcool foi justamente a de diminuir a dependência brasileira do petróleo, cujo preço disparou subitamente em 1973, quando ocorreu o chamado primeiro choque do petróleo.

Com o passar dos anos, contudo, se observou que, além das vantagens econômicas, o etanol da cana-de-açúcar apresentava uma grande vantagem do ponto de vista ambiental para o país, porque emitia menos carbono para a atmosfera em comparação com a gasolina e outros combustíveis.

Além disso, foi constatado que a cana-de-açúcar apresentava balanço energético muito positivo – a diferença entre a energia gasta para produzir a cultura, em termos da utilizada para produzir os fertilizantes utilizados no cultivo e no transporte da cana por caminhões, entre outros fatores, da energia que gera.

Um artigo publicado na revista Science em 1977 por José Goldemberg, professor do Instituto de Energia e Ambiente (IEA) da USP e presidente da FAPESP, e colaboradores, deu a primeira contribuição nesse sentido.

Os pesquisadores calcularam a energia gasta para produzir etanol a partir de três diferentes culturas no Brasil: a cana, a mandioca e o sorgo sacarino.

Os resultados do estudo demonstraram que a cana-de-açúcar era a cultura mais eficiente para produção de etanol, seguida pelo sorgo sacarino e a mandioca, em razão, principalmente, do bagaço.

“Esse trabalho foi importante não pela precisão dos números que apresentou, que eram muito primitivos e foram melhorados com o passar do tempo, mas porque deu maior confiança para o setor ao demonstrar o quão era importante produzir cana-de-açúcar porque era, efetivamente, uma maneira de capturar energia solar e que o etanol é energia solar liquefeita”, avaliou Goldemberg em palestra durante o evento.

“Não havia o menor interesse na comunidade acadêmica, na época, tanto por etanol, como por açúcar da cana”, afirmou.

Hoje, em razão dos investimentos na produção do etanol da cana iniciados com o o Proálcool, entre as 10 maiores economias do mundo, o Brasil é o país onde as energias renováveis mais contribuem na matriz energética, com 43,4% do total. A bioenergia da cana sozinha responde por 18,1% do total, de acordo com dados do Ministério de Minas e Energia destacados no livro e por participantes do evento.

O país também é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, com produção de 28 bilhões de litros de etanol na safra de 2015/2016, segundo dados da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Na safra 1975-1976 – quando foi lançado o Proálcool -, a produção brasileira de etanol foi de 555 milhões de litros.

A quantidade de cana por hectare produzida por 174 usinas da região Centro-Sul do Brasil na safra 2016-2017 é de 82 toneladas por hectare, ainda de acordo com dados da Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) apresentados por Goldemberg.

“É preciso fazermos esforços para melhorar a produtividade agrícola das usinas. Algumas apresentam uma produtividade muito boa, mas, em média, esse fator não está muito bom”, avaliou.

Contribuição paulista

Aproximadamente 60% do etanol de cana produzido no Brasil é proveniente do Estado de São Paulo, cuja matriz energética é fortemente baseada nesse biocombustível, ressaltou Brito Cruz.

Em 1980, 62% da energia total usada no Estado de São Paulo era proveniente do petróleo. Em 2013 a participação do petróleo na matriz energética paulista caiu para 38% com a ajuda, em grande parte, do etanol, que aumentou sua participação de 14% em 1980 para 32% em 2013.

“A bioenergia é muito importante não só economicamente para São Paulo, mas também porque contribui para o estado reduzir suas emissões de carbono”, avaliou.

Um dos fatores que contribuíram para o expressivo aumento da participação do etanol na matriz energética nas últimas décadas, na opinião de Brito Cruz, foi o apoio à pesquisa em bioenergia no estado.

Desde a sua criação, em 1962, a FAPESP sempre apoiou muitos projetos de pesquisa na área de bioenergia. E, em 2005, a instituição decidiu ampliar o financiamento de pesquisas na área de forma mais coordenada.

Para isso, financiou um projeto, coordenado por Cortez, com o objetivo de estabelecer diretrizes para a pesquisa científica e tecnológica em bioenergia no Estado de São Paulo.

Os resultados do projeto deram subsídios para o lançamento, em 2008, do BIOEN, que reúne hoje mais de 300 pesquisadores vinculados a universidades e instituições de pesquisa no Brasil e no exterior em projetos de pesquisa sobre diferentes aspectos da bioenergia, como melhoramento de plantas, produção industrial, motores e sustentabilidade ambiental e socioeconômica, entre outros.

“O grande diferencial do BIOEN em relação a outros programas de pesquisa em bioenergia similares existentes no mundo é que ele cobre, basicamente, todas as áreas do conhecimento em bioenergia”, comparou Gláucia Souza.

O programa já estabeleceu parcerias com sete empresas com o objetivo de identificar possíveis aplicações para alguns dos resultados dos projetos apoiados.

Entre elas, a Peugeot Citroën – com que a FAPESP se associou para criar, em 2013, um Centro de Pesquisa em Engenharia voltado ao desenvolvimento de motores a combustão movidos a biocombustíveis – e a Dedini.

A Fundação estabeleceu um convênio entre 2008 e 2012 com esta empresa fabricante de equipamentos industriais de Piracicaba, no interior de São Paulo, com o objetivo de apoiar projetos voltados a contribuir para o avanço do conhecimento e da tecnologia na área de processos industriais para a fabricação de etanol de cana.

“Tivemos um papel muito relevante na implantação e no desenvolvimento do Proálcool ao ajudar a implantar centenas de destilarias autônomas no início do programa – hoje chamadas de usinas de etanol – com tecnologia totalmente brasileira”, disse José Luiz Olivério, diretor de operações da empresa, durante o evento.

Os pesquisadores vinculados ao BIOEN já publicaram mais de 930 artigos científicos nos últimos sete anos. Essa produção científica contribui para o Estado de São Paulo ser hoje a região do mundo com maior número de artigos científicos sobre cana publicados em todo o mundo, atrás apenas do Brasil como um todo, e à frente de países como os Estados Unidos, Índia, Austrália, China e Cuba, apontou Brito Cruz.

“São Paulo está virando um foco mundial da pesquisa em bioenergia no mundo, que é o que queremos que aconteça”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *