Revolução do carro elétrico agora enfrenta seu maior teste

Restam poucas vagas para o Curso de Atualização da NR20 em Jequié
24/04/2017
Petróleo sobe em tentativa de recuperação, mas excesso de estoque preocupa
25/04/2017
Mostrar tudo

Fonte: Brasil Agro
Os carros elétricos estão prontos para se manterem por conta própria?
Para quem passou pelo Salão Internacional do Automóvel de Nova York na semana passada e viu o Chevy Bolt (elétrico), de US$ 37.500, estacionado ao lado do incrivelmente parecido Chevy Cruze (gasolina), de US$ 17.000, a resposta provavelmente seja um seco “não”. O Bolt pode até ser um carro melhor do que o Cruze – mas não é US$ 20.000 melhor.
A Edmunds, empresa de pesquisa automotiva, deu seu próprio “não” seco, alertando que a eliminação de um crédito fiscal de US$ 7.500 nos EUA “provavelmente matará [o] mercado americano de veículos elétricos (VE)”.
A Edmunds justificou sua afirmação no que aconteceu na Geórgia, um estado que se transformou em um líder inesperado do mercado de carros elétricos graças a um incentivo extra de US$ 5.000. Em um determinado momento, quase 4 por cento dos carros novos vendidos na Geórgia eram elétricos. Depois o benefício foi eliminado.
Mas aconteceu uma coisa muito esclarecedora depois que os incentivos da Geórgia acabaram. Ao contrário do Nissan Leaf, que tinha a maior fatia do mercado de veículos elétricos no estado, as vendas de modelos elétricos Tesla de luxo quase não foram afetadas pela perda do crédito fiscal. Aliás, mais pessoas compram Tesla na Geórgia hoje do que durante os anos de subsídio.
O caso da Tesla mostra o que acontece quando um carro elétrico alcança a paridade com os concorrentes que queimam combustível tanto no preço quanto na função. Ao contrário do Leaf e do BMW i3, o Model S da Tesla é mais rápido do que os carros a gasolina com preços semelhantes, tem uma grande autonomia, uma extensa rede de carregamento rápido e está repleto de avanços tecnológicos incomparáveis, como o Autopilot e atualizações de software sem fio.
Consequentemente, hoje o Model S é o veículo de luxo grande mais vendido nos EUA. É pouco provável que mudanças nos incentivos estaduais ou federais alterem esse fato. Mas esses Tesla são carros premium cujo preço inicial está por volta de US$ 70.000. Para que os elétricos realmente passem no teste dos subsídios e conquistem o setor automotivo, eles terão que demonstrar o que valem em carros mais baratos e terá que haver outros fabricantes além da Tesla. Quando será que isso vai acontecer?
Questão real
O maior custo de um carro elétrico é a bateria, responsável por quase metade do preço de um carro elétrico de tamanho médio. Tirando isso, é muito mais barato produzir e manter carros elétricos do que veículos de combustão interna. (É por isso que a Renault, a fabricante francesa de veículos, vende seu popular Zoe sem bateria, por cujo aluguel os clientes pagam uma taxa mensal.)
Quando os incentivos nos EUA começarem a expirar no ano que vem, não espere um colapso do tamanho do da Geórgia no mercado. O período de maior perigo para os veículos elétricos está acabando e o momento de maior potencial está começando. Todos os grandes fabricantes de veículos estão investindo bilhões de dólares para eletrificar seus sistemas de transmissão e os mais espertos competirão agressivamente sobre os preços no curto prazo para consolidar participação no mercado no longo prazo. Os incentivos são importantes, mas eles não definirão o mercado por muito mais tempo (Bloomberg, 24/4/17)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *