Shell diz ter apetite para mais investimentos no Brasil além dos US$ 10 bilhões planejados

Canavias envelhecidos devem produzir menos na próxima safra brasileira
08/12/2016
Apesar de decisão do TCU, Petrobras vende ativos
09/12/2016
Mostrar tudo

Fonte: ABEGÁS
A anglo-holandesa Shell vem ampliando fortemente sua presença no mercado brasileiro, onde já é sócia da Petrobrás em projetos de grande relevância, como na área de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, mas não pretende limitar seu crescimento no País aos ativos atuais. O presidente da Shell no Brasil, André Araújo, que marca a segunda entrevista do Petronotícias da série com presidentes de companhias de petróleo presentes no Brasil, conta que o planejamento da empresa prevê US$ 10 bilhões em novos investimentos no País ao longo dos próximos cinco anos, porém isso não é um teto. “Nosso interesse no Brasil não se restringe às nossas operações atuais. Temos apetite para mais. O Brasil tem uma geologia muito atraente e oportunidades a serem exploradas”, diz, ressaltando que as condições de mercado que influenciem a competitividade do País frente a outras regiões na busca por novos investimentos terão um papel importante em possíveis decisões de novos negócios.
Como avalia o momento do setor de petróleo brasileiro e as mudanças que estão sendo realizadas no País?
Temos um longo histórico no Brasil, onde já estamos presentes há 103 anos. Tenho visto alguns sinais importantes vindos do governo no nosso setor, como o fim do operador único no pré-sal. Estamos confiantes nos fundamentos e na força do segmento de óleo e gás no Brasil e, particularmente, nas nossas parcerias. Aguardamos ansiosamente algumas definições importantes que darão conforto aos investidores; entre elas adequação das exigências de conteúdo local à realidade do mercado, extensão do Repetro e confirmação de que regras que impactem a arrecadação de impostos, royalties e participações especiais não sejam alteradas. Entendo que o Governo tem sido sensível à necessidade de atrair novos investimentos e assegurar que o Brasil seja competitivo.
Como essas mudanças impactam o planejamento da empresa no Brasil?
A Shell deve investir cerca de US$ 10 bilhões no Brasil ao longo dos próximos cinco anos. Isso já está previsto considerando o portfólio que temos no país. Termos e condições de mercado que influenciem a competitividade do Brasil frente a outros países na busca por novos investimentos terão um papel importante em possíveis decisões de novos negócios. Os investimentos do setor de óleo e gás são, por natureza, de longo prazo, portanto precisamos de previsibilidade e estabilidade nas regras – talvez os fatores mais importantes para a nossa tomada de decisões de novos investimentos. Isso se torna especialmente crítico se levarmos em conta um cenário de preços de petróleo mais baixos que pode durar por mais tempo. O dispêndio efetivo desse valor se dará projeto a projeto, quando tivermos a garantia que cada projeto é competitivo para seguir em frente.
Como avalia o fim da obrigatoriedade de operação única no pré-sal?
Primeiramente, reconhecemos a qualidade da Petrobrás como operadora de alguns dos mais importantes projetos da Shell em águas profundas, como Libra e os blocos que pertenciam à BG. Respeitamos as escolhas do País, ao mesmo tempo em que sempre fomos favoráveis a um ambiente de múltiplos operadores. Isso traz possibilidades interessantes para a Shell e outras companhias do setor. Cria um ambiente no qual mais empresas podem trazer mais inovação, empregos e desenvolvimento para o País.
Quais os maiores interesses da empresa no mercado de óleo e gás brasileiro atualmente?
Queremos seguir o trabalho que temos feito com a Petrobrás e demais parceiros em todos os blocos nos quais temos participação, seja como operadores ou não, tanto no pré quanto no pós-sal. Estaremos atentos às oportunidades de novos negócios no setor, através dos próximos leilões previstos para o ano que vem.
A companhia tem interesse em participar dos leilões de novas áreas previstos para 2017?
Nosso interesse no Brasil não se restringe às nossas operações atuais. Temos apetite para mais. O Brasil tem uma geologia muito atraente e oportunidades a serem exploradas. O setor de águas profundas é uma prioridade de crescimento para a Shell globalmente. Isto posto, vamos aguardar quais serão as condições dos próximos leilões e avaliar criteriosamente as áreas em oferta. Acho importante salientar aqui que a regularidade e previsibilidade dos leilões são fatores fundamentais para operadores como a Shell.
Como avalia as mudanças no setor de gás natural? Há novos planos sendo fomentados internamente na companhia em função deste processo?
Estamos acompanhando de perto as mudanças no setor. Temos discutido potenciais projetos na área de gás natural, e acreditamos que o Brasil tenha potencial de crescimento nesse segmento.
Quais são os fatores mais atraentes do mercado de óleo e gás brasileiro e quais os maiores desafios dele para a empresa?
O Brasil é um dos três principais países em termos de importância para a Shell, tanto em capital investido quanto em números de produção. Isso dá uma ideia da atratividade do país. Nossa visão sobre ativos no Brasil foi fundamental na tomada de decisão para a combinação com a BG, cujo portfólio no pré-sal da Bacia de Santos nos traz perspectivas incríveis tanto em petróleo quanto em gás. O principal desafio do nosso setor, eu diria, é criar novas oportunidades que sejam sustentáveis – ambiental e financeiramente – a preços de petróleo baixos como os de hoje. Especificamente para o Brasil, o desafio é garantir um ambiente de regras claras, estáveis e com muita transparência, que assegure a competitividade e atraia novos investimentos para o País.
Como vê a política de conteúdo local? Quais os erros e os acertos dela, a seu ver?
A Shell apoia o conteúdo local, ao mesmo tempo em que acredita que a política atual precisa de ajustes. O conteúdo local deve ser visto como uma plataforma de desenvolvimento da indústria brasileira e não como reserva de mercado. Este tópico merece uma discussão técnica, sem paixões. A política, em nossa visão, deve incentivar e não punir, de modo a tornar os projetos no Brasil economicamente viáveis. Na minha visão, o objetivo não deve ser proteger o mercado brasileiro para fornecedores locais, mas tornar esses mesmos fornecedores competitivos em nível internacional. Temos todo o interesse em ver fornecedores locais da Shell também nos fornecendo soluções em nossos projetos no exterior.
Qual o planejamento da empresa no Brasil para os próximos anos?
Pretendemos investir US$ 10 bilhões nos próximos cinco anos nos projetos já existentes, independente das novas oportunidades que, espero, possam surgir. Nosso objetivo é entregar o que prometemos aos nossos acionistas. Se isso for atingido, e tenho certeza que será, vamos contribuir com empregos, geração de riqueza e aumento de royalties. A Shell tem um portfólio já bastante diversificado e de capital intensivo no Brasil, mas vamos seguir olhando e avaliando novas oportunidades de negócio por aqui.
Fonte: PetroNotícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *