Produção de petróleo avança em maio, diz Opep
13/06/2017
Pequenos e médios podem se beneficiar na 14ª Rodada da ANP
13/06/2017
Mostrar tudo

Fonte: DCI

A Statoil planeja mais do que triplicar sua produção no Brasil e buscará se tornar operadora de toda a descoberta de Carcará, na Bacia de Santos, que está entre as maiores do mundo nos últimos anos, afirmou à Reuters o chefe das operações brasileiras da companhia, Anders Opedal.
A petroleira norueguesa investiu mais de US$ 10 bilhões no Brasil, tornando-se uma das maiores estrangeiras em mar no País, com a ajuda do campo de petróleo pesado Peregrino, a 85 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, que é o maior que a empresa opera fora da Noruega.
Com Peregrino produzindo de 80 mil a 90 mil barris de óleo equivalentes de petróleo por dia, a participação da Statoil de 60% no campo permite que a empresa produza entre 48 mil e 54 mil barris diários no País. “Esperamos que a produção [da Statoil] seja mais do que triplicada no Brasil até 2030”, disse.
No ano passado, a Statoil comprou uma participação de 66% da Petrobras e tornou-se a operadora do bloco BM-S-8, na Bacia de Santos, onde está a descoberta de Carcará, por US$ 2,5 bilhões.
A empresa norueguesa também tomou o controle operacional da licença BM-C-33, também na Bacia de Campos, da Repsol Sinopec, detendo uma participação de 35%.
Além disso, a companhia aprovou o desenvolvimento da fase 2 de Peregrino, que deverá adicionar 250 milhões de barris de reservas com “break-even” abaixo de US$ 45 por barril, menor que uma estimativa original de US$ 70 por barril. “Estamos no caminho certo para começar a terceira plataforma em Peregrino, no fim de 2020”, disse Opedal.
Planos futuros
A Statoil planeja perfurar um poço de exploração em um outro prospecto no BM-S-8 neste ano, antes de testar fluxos próximos a Carcará em 2018.
A Statoil também deverá participar do leilão do pré-sal em 27 de outubro, que incluirá uma área adjacente ao bloco BM-S-8, onde empresas e autoridades dizem estar uma parte da reserva de Carcará.
“Temos um desejo muito forte de que a Statoil seja a operadora de toda a [reserva]”, acrescentou o executivo.
Enquanto isso, a empresa ainda avalia opções para o desenvolvimento da licença BM-C-33, na Bacia de Campos, onde três descobertas revelaram um milhão de barris de petróleo equivalente. “Este é outro campo que será parte da produção principal da Statoil [no Brasil]”, afirmou. /Reuters

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *