O mundo vai precisar mais da Opep, escreve Adriano Pires

Nacional Gás amplia fatia de mercado após comprar Liquigás
30/06/2021
Petróleo fecha em leve alta com expectativa por reunião da Opep
30/06/2021
Mostrar tudo

Petróleo ainda tem papel fundamental na matriz energética mundial

Poder 360 / Adriano Pires

Após a intitulada “Black Wednesday”, onde 3 grandes empresas do setor de óleo e gás –Shell, Exxon e Chevron– perderam uma batalha para os ativistas do clima, uma questão importante vem chamando a atenção. Seria apenas a perda de uma batalha isolada ou o início da vitória de uma guerra contra os combustíveis fósseis?

A visão global das grandes empresas petrolíferas vem se moldando a nova realidade de que os combustíveis fósseis são os grandes vilões do meio ambiente. Entretanto, é importante, considerar que o petróleo e seus derivados ainda terão uma posição de protagonismo na matriz energética mundial. As transições energéticas são lentas. Sendo assim, para atingirmos o esperado net zero até 2050, a 1ª meta é pensar em como reduzir a demanda por petróleo.

O embate contra as grandes empresas do setor não deveria ser prioridade. É preciso que tanto a oferta quanto a demanda mudem em conjunto. Portanto, restringir a produção das IOCs (sigla em inglês para Indicadores de Comprometimento), sem uma diminuição da demanda mundial por petróleo, significa necessariamente deslocar a oferta do mercado para as NOCs (National Oil Companies) e membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo). Esse deslocamento da oferta para produtores menos preocupados com as questões ambientais podem ter efeitos globais no enfrentamento as mudanças climáticas e fortalecimento do cartel da Opep na oferta mundial de petróleo.

Além do fortalecimento econômico, vai existir o fortalecimento político dos países membros da Opep. Em um mercado de petróleo com uma demanda apertada e preços mais altos, as nações pertencentes à Opep irão impulsionar sua influência geopolítica global. A Arábia Saudita, por exemplo, passaria a ter forte controle sobre o mercado de petróleo global e mais importância geopolítica.

Representantes da Opep foram bastante críticos ao recente relatório publicado pela IEA (International Energy Agency), no qual apresenta um roadmap para limitar o aumento da temperatura global. O Ministro da Energia da Arábia Saudita, Príncipe Abdulaziz bin Salman, chamou o cenário apresentado pela agência de “la-la-land”, e completou dizendo que em vez de parar de investir, Riade planeja aumentar a capacidade de produção de sua estatal de petróleo, Saudi Aramco, de 12 milhões para 13 milhões de barris por dia. O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, disse que se o mundo seguisse o polêmico roteiro da IEA, o preço do gás irá disparar e o preço do barril de petróleo poderá chegar a U$ 200.

À medida que a economia se recupera da pandemia, a questão que confronta a indústria de energia é se a demanda finalmente cairá para corresponder à oferta limitada. Segundo as projeções da Opep, o petróleo possui expectativa de crescimento da demanda em mais 6 milhões de barris por dia (b/d), chegando a 96,5 milhões de b/d, em média, um aumento de 6,6% com relação a 2020. Ainda de acordo com as projeções, a demanda ultrapassará 99 milhões de b/d no 4º trimestre, o que significa voltara faixa dos níveis pré-pandêmicos.

Caso o consumo de petróleo continue aumentando, com parece ser o caso, iremos precisar de mais oferta no mercado global. Como as IOCs estão reduzindo sua produção, teremos um déficit de oferta, favorecendo a produção dos países membros da Opep.

Durante a Conferência de Investidores da Robin Hood no dia 16 de junho, o príncipe Abdulaziz bin Salman alertou os especuladores sobre os riscos das apostas em queda das cotações e que sua função é tentar impedir um super ciclo nos preços globais do petróleo. Para que isso não aconteça é preciso investimento no setor. Para o príncipe, os cortes talvez tenham ido longe demais e levarão a uma oferta apertada quando a demanda se recuperar. Os contratos para o barril do tipo Brent chegaram já US$ 75, a maior cotação desde abril de 2019 e muitos analistas acreditam que poderá chegar a US$ 100 no segundo semestre.

Ao priorizar a ampliação das fontes renováveis na matriz energética, a todo custo, para a completa descarbonização da matriz energética estamos concedendo ao petróleo o status de antagonista do meio ambiente. Mas, o petróleo será a commodity com papel central para a retomada do crescimento das economias pós-pandemia. Transição energética é um processo de longo prazo.

É bom estarmos atentos que as políticas ambientais que estão sendo promovidas, em particular, pelo governo norte-americano poderão levar a aumento no preço do barril e a  mudanças na geopolítica do petróleo com o fortalecimento da Opep e da Rússia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *