Operação fecha refinaria que desviava óleo de dutos da Petrobrás em SP

Cana tem área maior, mas produtividade menor, aponta Conab
21/12/2016
Ladrões roubam petróleo direto dos oleodutos da Petrobras
21/12/2016
Mostrar tudo

Fonte: O Estado de S. Paulo
Uma operação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Ministério Público do Trabalho (MPT) fechou nesta terça-feira, 20, em Boituva, no interior de São Paulo, uma refinaria clandestina de petróleo desviado de dutos da Petrobrás no Rio de Janeiro.
A refinaria pode ter processado um milhão de litros de gasolina por mês, segundo a Polícia Civil de Boituva (SP). Moradores vizinhos da fábrica relatam movimento diário de caminhões-tanque na unidade, que funcionava ao lado de uma plantação de soja. As instalações, da Speichim do Brasil, foram lacradas. Ao menos dois caminhões foram apreendidos.
A PRF chegou à refinaria depois de abordar veículos carregados com petróleo durante investigação de roubos de cargas. A estrutura de refino, com tanques, caldeiras e laboratório, estava disfarçada sob a fachada de uma indústria de solventes. A polícia pediu apoio ao MPT em razão das condições de trabalho do local. Os funcionários manipulavam produtos perigosos sem usar equipamentos de proteção. O dono, o gerente e dois químicos foram autuados por crime contra a economia popular e a ordem pública, mas foram liberados para responder em liberdade.
Quatro pessoas foram detidas e outras 11, que trabalhavam no local, prestaram depoimento e foram liberadas. A polícia encontrou 240 mil litros de petróleo e 160 mil litros de gasolina – equivalente a 30 caminhões-tanque.
Segundo o delegado Emerson Jesus Martins, policiais rodoviários chegaram ao local após parar um veículo com petróleo na Via Dutra, que liga São Paulo ao Rio. O petróleo era retirado de dutos que abastecem a Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio, e transportado em caminhões-tanque para Boituva. A gasolina iria para postos da região.
Análise de amostras colhidas num dos caminhões apreendidos comprovou que o produto era da Petrobrás. A polícia acredita que o furto de petróleo era praticado por um braço da quadrilha que atuava no Rio. Em setembro, policiais da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense descobriram a ligação de milícias que sangravam os dutos da Petrobrás com o assassinato de candidatos a vereador em Duque de Caxias.
Eles teriam sido mortos durante disputa pelo controle do esquema. Foram encontrados cinco pontos de desvio do petróleo e o valor do combustível foi calculado em R$ 55 milhões.
O Instituto de Criminalística (IC) da Polícia Civil fez perícia no local. Os laudos ficam prontos em um mês. O caso está sendo tratado como receptação, crime contra a ordem econômica, crime contra a economia popular e dano ambiental.
Como a refinaria paulista estava em plena atividade, a polícia acredita que o esquema de desvios no Rio continue. Em março, a fábrica clandestina pegou fogo e vários tanques explodiram. Um funcionário morreu. Na época, o dono informou que a unidade processava óleo queimado e produzia solventes.
O advogado do dono da empresa, Felipe Mello de Almeida, disse que o proprietário nega o processamento de petróleo no local. Segundo ele, a empresa faz remanufatura de óleo usado. “Não é uma empresa clandestina, tem todas as licenças em dia.” Ele disse desconhecer a origem do petróleo encontrado.
A Petrobrás disse, em nota, que colabora com as investigações e enviou uma equipe técnica ao local. Segundo a empresa, os dutos são operados de forma centralizada e monitorados em tempo integral. Quando detectada uma tentativa de furto, a polícia é acionada.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *